Jovens moçambicanos descontentes com falta de oportunidades | Moçambique | DW | 12.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Jovens moçambicanos descontentes com falta de oportunidades

No Dia Mundial da Juventude, jovens da província moçambicana de Nampula queixam-se da falta de emprego, de habitação e de acesso ao crédito financeiro. O novo coronavírus também é um dos maiores problemas atualmente.

Ser jovem continua a ser um desafio em Moçambique, principalmente na província nortenha de Nampula. Manuel Pita, de 30 anos, está desempregado e já tentou várias vezes concorrer a vagas de emprego, tanto nas empresas governamentais quanto nas privadas, mas sem sucesso.

Manuel Pita lamenta a falta de políticas concretas de emprego por parte das autoridades governamentais. "É uma situação triste em que em 45 anos [de independência do país] nós tínhamos de evoluir, mas infelizmente não é o que está a acontecer. Muitos jovens estão sentados [desempregados] mesmo com formações não têm oportunidades", conta.

Além do desemprego, a falta de acesso à habitação e de financiamento de iniciativas juvenis é outro problema. Manuel Pita diz que os poucos que beneficiam dessas iniciativas são jovens que com alguma influência junto das elites governamentais.

"As oportunidades podem existir, mas o problema é como aceder. Temos problemas de apoio. Eu posso querer criar um negócio, mas se não tenho apoio vai ser difícil [progredir], por isso precisamos de uma alavanca", sublinha.

Apesar de todos os constrangimentos, o jovem conforta os seus pares: "Não podemos cansar, vamos continuar a lutar, porque eu acredito que dias melhores virão. No entanto, não podemos ficar de braços cruzados esperando que as autoridades governamentais façam alguma coisa."

Apostar mais na formação e em negócios

Mateus Razão Ali é formador de hotelaria e turismo em Nampula. O jovem reconhece o elevado índice de desemprego no país e na província e, para ultrapassar esse problema, desafia os outros jovens a apostarem mais na formação técnico-profissional e no empreendedorismo.

Assistir ao vídeo 02:02

Nampula: Jovens escultores procuram alternativas às madeiras protegidas

"Para o jovem lamentar a falta de emprego tem de estar formado. Um jovem não pode reclamar sobre emprego enquanto não está formado. Essa é a primeira condição. Não é só emprego formal que dá pão, também o negócio lícito dá. Se o jovem não vai à luta para ganhar o pão, a lamentação nunca para", explica.

Já o Conselho Nacional da Juventude, no distrito de Nampula, reconhece os problemas, mas aconselha aos jovens a apostarem na criação de negócios para o seu sustento, aproveitando os poucos apoios que as autoridades governamentais disponibilizam.

Pandemia piorou o cenário

Milagres Zacarias, primeiro vice-presidente do Conselho Distrital da Juventude no distrito de Nampula, diz que todos os esforços das autoridades visando o apoio a iniciativas juvenis, entre eles o emprego, estão a redundar em fracassos por causa da pandemia de Covid-19.

"Em relação ao financiamento de projetos, nós sabemos que desde 2019 enfrentamos várias dificuldades para acesso ao financiamento. Infelizmente, este ano tivemos esta situação adversa que é da Covid-19, em que muitas fontes que serviriam para financiar iniciativas juvenis não foram abertas", disse.

A DW África tentou obter esclarecimentos sobre a política do Executivo moçambicano face ao apoio da juventude, através do Governo do distrito de Nampula, mas até ao momento não obteve resposta.

Na manhã desta quarta-feira (12.08), a Praça dos Heróis na cidade de Nampula vai acolher as cerimónias do Dia da Juventude na província, um evento a ser orientado pelo secretário de Estado de Nampula, com a presença do administrador do distrito.

Na capital, Maputo, o Parlamento Juvenil, um movimento de advocacia dos direitos e prioridades da juventude moçambicana, promove um debate sobre os desafios e perspetivas da camada mais jovem face à pandemia de Covid-19. A reflexão visa debater políticas e o papel das instituições face aos novos desafios.

Leia mais