Jornalistas angolanos protestam contra ″perseguição″ judicial | Angola | DW | 15.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Jornalistas angolanos protestam contra "perseguição" judicial

Sete profissionais, acusados por governantes angolanos de crimes de injúria e difamação, acusam o Estado de os querer silenciar antes das eleições gerais de 2022.

Os jornalistas protestaram esta terça-feira (15.06) junto às instalações da Procuradoria-Geral da República, em Luanda.

Um dos manifestantes, Coque Mukuta, considera que os processos contra jornalistas independentes são uma forma de os tentar intimidar a pouco mais de um ano das eleições gerais, agendadas para 2022.

"Estamos na fase pré-eleitoral e, nesta altura, a maior preocupação [do Estado] é instigar medo na população. Se até os jornalistas deixam de poder falar, toda a sociedade fica inibida de se expressar", refere o diretor da página de notícias "O Decreto" e correspondente da rádio "Voz da América".

Dezenas de processos-crime

Mariano Brás (jornal "O Crime"), Escrivão José (jornal "Hora H)", Lucas Fenguele ("Clube-K"), Carlos Alberto (portal "A Denúncia"), Jorge Neto e Liberato Furtado juntaram-se a Coque Mukuta no protesto desta ter­ça-feira.

Muitos deles dizem ter sido alvo de mais de dez processos judiciais, por denunciar casos de corrupção nas instituições do Estado. Algumas das acusações remontam à governação do ex-Presidente José Eduardo dos Santos. Outras são mais recentes.

Angolanischer Journalist Coque Mukuta

Coque Mukuta: "A maior preocupação [do Estado] é instigar medo na população"

Mukuta responde na quinta-feira (17.06) a um processo movido pela vice-governadora da província do Kwanza Norte, Leonor de Lima e Cruz, por difamação. À DW África, o jornalista garante que nunca fez uma peça jornalística que envolvesse a governante.

"Não me lembro de ter escrito alguma coisa com o nome dela. Por isso entendemos que todas estas acusações estão [mais] ligadas a uma perseguição contra os jornalistas do que a matérias de facto." 

Coque Mukuta diz que os queixosos deviam apresentar primeiro as suas reclamações à Comissão de Carteira e Ética antes de intentarem qualquer processo judicial. Mas isso não aconteceu.

"Asfixia" a jornalismo independente

Alvo de cerca de vinte acusações de injúria e difamação, Lucas Fenguele, um dos responsáveis editoriais do "Clube-K", acusa o Governo de João Lourenço de tentar "asfixiar" os órgãos de comunicação social independentes.

"Para o Presidente da República, só é jornalista quem é dos órgãos públicos", lamenta Fenguele. "O Presidente não inclui os profissionais dos órgãos privados (além dos privados que os membros do Governo controlam). Este ano, o 'Clube-K' vai completar 20 anos e nunca fomos tidos, nem achados. Mas fomos processados sempre que divulgamos algumas peças."

Para o diretor do jornal "Hora H", Escrivão José, a manifestação desta terça-feira em frente ao Palácio da Justiça, edifício onde está a Procuradoria-Geral da República, mostra que a imprensa independente não se "ajoelha" aos caprichos do poder político angolano. 

"Estes processos servem para silenciar a imprensa privada, porque a imprensa pública está a reboque do Governo angolano", comenta.

O jornalista aconselha os colegas de profissão a continuarem a informar com verdade.

"Antes já foi pior. No tempo de José Eduardo dos Santos, esperavam muitos de nós debaixo dos prédios. Já apanhei porradas e estranhos disseram-me que, se continuasse, iria morrer. Neste tempo da governação do Presidente João Lourenço, os mesmos métodos estão a voltar."

Assistir ao vídeo 04:57

Angola: Covid-19 "fala à Nação"

Leia mais