João Lourenço quer plano de ação contra o terrorismo na África Austral | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 18.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

João Lourenço quer plano de ação contra o terrorismo na África Austral

Em encontro com líderes da África Austral, o chefe de Estado angolano pediu que a comunidade aplique rapidamente a Estratégia e Plano de Ação para o Combate ao Terrorismo na região.

default

Militares da RDC (foto de arquivo)

Ao discursar na abertura da 38.ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), que começou na sexta-feira (18.08) em Windhoek, na Namíbia, João Lourenço destacou como "urgente e imperiosa" a necessidade de se "tornar exequível" o Fundo de Paz da organização, de forma a garantir "respostas imediatas às reais e potenciais ameaças à paz e estabilidade na região".

Lourenço discursava também na qualidade de presidente cessante do Órgão de Cooperação Política, Defesa e Segurança da SADC, entidade que fiscaliza a manutenção da paz, segurança e estabilidade, bem como tem um papel fundamental no fortalecimento da democracia e das boas práticas de governação na África Austral.

"No que ao combate ao terrorismo diz respeito, a SADC desenvolveu durante a Presidência de Angola o roteiro de implementação de uma estratégia e de um plano de ação com vista a prevenir e combater esse flagelo, que afeta não apenas a nossa região, mas o mundo inteiro", realçou o chefe de Estrado angolano.

Nesse sentido, e a título de exemplo, João Lourenço recorreu às "notícias preocupantes" que chegam de alguns Estados-membros, como o mais recente caso de Moçambique junto à fronteira com a Tanzânia, "que se tornaram alvo de agressões de grupos terroristas com perigosas conexões externas".

Mosambik, Macomia: Mucojo village had houses destroyed by armed groups

Ataques de grupos armados deixaram rasto de destruição no norte de Moçambique (junho de 2018)

"Atos de barbárie"

Outro exemplo avançado pelo Presidente angolano é o caso da República Democrática do Congo (RDC), com ações na fronteira com o Uganda, onde se assiste, sublinhou, a "atos de barbárie contra populações civis praticados pelo grupo ADF.

Além do apelo à execução "integral" da Estratégia de Combate ao Terrorismo" e ao apoio ao Fundo de Paz", João Lourenço expressou "indignação e uma condenação veemente" a todos os atos de terrorismo praticados regional, continental e mundialmente.

João Lourenço falou também sobre as eleições recentes no Zimbabué, que "expressaram de forma livre a vontade do povo zimbabueano e mereceram a apreciação positiva por parte da comunidade internacional", mas lamentou os incidentes pós-eleitorais, "com a perda de vidas humanas".

"Acreditamos que se abre uma grande oportunidade para o aprofundamento da democracia e com ela o desenvolvimento económico e social do Zimbabué.

Angola Luanda Joao Lourenco

João Lourenço, Presidente de Angola (foto de arquivo)

Dia da Libertação da África Austral

Também no primeiro dia da cimeira da SADC, a proposta apresentada por Angola para a instituição do dia 23 de março como Dia da Libertação da África Austral foi aprovada por unanimidade dos 15 Estados-membros da organização regional. 

O "23 de março" marca a data da batalha do Cuito Cuanavale, na província do Cuando Cubango (sul de Angola), o maior conflito militar da guerra civil angolana, que decorreu entre 15 de novembro de 1987 e aquele dia de 1988.

O conflito opôs os exércitos das Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA), apoiado por Cuba, e da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), com apoio da África do Sul.

O fim da batalha marcou um ponto de viragem decisivo na guerra, incentivando paralelamente um acordo entre sul-africanos e cubanos para a retirada de tropas e a assinatura dos Acordos de Nova Iorque, que deram origem à aplicação de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, levando à independência da Namíbia e ao fim do regime de segregação racial que vigorava na África do Sul.

Outra proposta apresentada por Angola e que ainda vai a votação é a transformação do Fórum Parlamentar da SADC em Parlamento Regional, trabalho feito pelo Presidente da Assembleia Nacional (AN) angolana, Fernando Piedade Dias dos Santos.

Leia mais