″João Lourenço não faz nada de extraordinário″, diz oposição | Angola | DW | 24.08.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"João Lourenço não faz nada de extraordinário", diz oposição

Para UNITA e CASA-CE, Presidente angolano negligencia assuntos domésticos essenciais, como saúde e educação. Partidos descrevem a visita oficial de João Lourenço à Alemanha como um espetáculo para inglês ver.

No final da visita de dois dias à Alemanha, encerrada esta quinta-feira (23.08) foram assinados memorandos de entendimento para reforçar a cooperação económica e aumentar o financiamento alemão ao Estado angolano. Em 2011, a oposição criticou a proposta de venda pela Alemanha de barcos-patrulha à Angola e o negócio não foi efetuado, mas, segundo o Presidente angolano, João Lourenço, os constrangimentos do passado foram ultrapassados.

O deputado Lindo Bernardo Tito, vice-presidente da Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), a terceira força política do país, avalia que os compromissos internacionais assumidos por João Lourenço no exterior terão enormes encargos para o futuro do país.

"O atual Orçamento Geral do Estado é financiado na ordem de 40% com endividamento interno e externo. Isto que está a acontecer é trazer mais encargos para o país. O país precisa hoje neste quadro olhar para questões essenciais, como a saúde e educação", afirma.

"João Lourenço não faz nada de extraordinário", diz oposição

Para o vice-presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Raúl Danda, a governação de João Lourenço não está direcionada aos problemas da população.

"Estamos a ver um país que está mais preocupado em gastar milhões para comprar um satélite do que para comprar medicamentos de combate à malária. Estamos a ver um Governo mais preocupado em criar datas e fazer um marketing para o exterior do que resolver os problemas reais do país. Qualquer Governo deveria primeiro preocupar-se com a situação das suas populações e depois fazer o resto", sublinha.

'Para inglês ver'

Em entrevista exclusiva à DW África, João Lourenço afirmou que muito foi feito nos seus primeiros 11 meses de governação, até mais do que o esperado. Mas para o vice-presidente do maior partido da oposição angolana, Raúl Danda, as ditas "conquistas" do Presidente são um espetáculo para inglês ver.

"O que o Presidente João Lourenço tem estado a fazer até agora é exonerar e nomear pessoas. Para lá disto, não estamos a ver muito mais. É verdade que agora há nomes de pessoas que estão a ser investigadas e são constituídas arguidas, mas repare, eu acho que o Presidente está a envederar numa caça às bruxas", afirma.​​​​

Berlin Raul Danda aus Angola bei Angola Forum 2017

Raúl Danda: "Eu não sei como alguém fora de Angola consegue acreditar que o Presidente João Lourenço esteja a fazer alguma coisa de extraordinário"

"Tem muitas outras pessoas no país que se enriqueceram de forma ilícita e não são responsabilizadas. Continuamos a ver aquelas pessoas de nível mais baixo, que roubaram um cabrito ou uma galinha ou aquele funcionário público que desviou uma ninharia a serem postos na cadeia, quando outras pessoas não. Isso não significa rigorosamente nada. Isso é um show-off, é conversa para boi dormir, é para inglês ver", acrescenta.

Segundo Raúl Danda, só haverá mudança efetiva em Angola quando o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) sair do poder. "Isto é só uma brincadeira. Eu não sei como alguém fora de Angola consegue acreditar que o Presidente João Lourenço esteja a fazer alguma coisa de extraordinário. Não está. Será por que ele ainda não é presidente do MPLA e quer fazer isso depois? Com o MPLA, cai uma pessoa e entra outra, mas o sistema continua a ser o mesmo. E, enquanto o sistema continuar o mesmo, havemos de ter dificuldades no país", critica.

Lindo Bernardo Tito, da CASA-CE, pondera que o Presidente angolano montou uma estrutura para afirmar a sua autoridade. "O que ele fez demais é afirmar a sua autoridade como Presidente da República, mas um conjunto de questões sociais ficou para ser feito neste primeiro ano de mandato. Aumentaram a fome no país, as falhas no setor da educação e a falta de qualidade das unidades médicas no país", observa.

Para o economista angolano Precioso Domingos, os angolanos poderão saber em breve quem de facto é João Lourenço. "Vem aí o Congresso do MPLA. O Presidente João Lourenço vai se tornar presidente do MPLA já amanhã e vai ter todos os poderes. Nós vamos conhecer melhor o Presidente João Lourenço depois de setembro. Eu, particularmente, tenho muitas expetativas", diz. 

Leia mais