Jean Boustani, o libanês que ″ultrapassou″ Manuel Chang & companhia | Moçambique | DW | 09.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Jean Boustani, o libanês que "ultrapassou" Manuel Chang & companhia

Possível hipótese de Manuel Chang esquivar-se a uma extradição pode não lhe ser vantajosa, diz jurista. É que o libanês Jean Boustani já avançou bastante em relação aos outros acusados ao propor uma delação premiada.

default

Manuel Chang, ex-ministro das Finanças de Moçambique e deputado da FRELIMO

Quer Manuel Chang coopere com a justiça norte-americana ou não, as informações relevantes para a composição do puzzle dos supostos crimes financeiros de que é acusado deverão ser divulgados por pelo menos um acusado no processo.

O libanês Jean Boustani, outro acusado já nas mãos da justiça norte-americana, já se ofereceu para uma delação premiada: solicitou a redução das medidas de coação em troca de cooperação. Isso deixaria os restantes acusados sem grande margem de manobras diante da justiça.

E o jurista Vicente Manjate sublinha que "é verdade que a delação premiada vai reduzir as chances de defesa dos outros, se dúvidas, e os outros envolvidos não têm acesso a ele. O libanês está adiantado nesse processo, com o acordo, o que é muito bom para ele."

Ainda segundo Manjate, "os restantes moçambicanos estão a espera de não serem presos e extraditados para os EUA e podem estar a perder algum tempo nas negociações das suas molduras penais, das penas que eventualmente serão aplicadas."

Extradição ainda não está em questão

Francois Hollande Armando Guebuza Iskandar Safa

Iskandar Safa (centro), dono da Privinvest, Armando Guebuza (esq.), ex-Presidente de Moçambique, e Francois Hollande (dir.), ex-Presidente de França

Mas ao que tudo indica Manuel Chang não tem interesse em ser extraditado. É que o seu advogado, o sul-africano Willie Vermeulen, defende que não há muita clareza em relação a esse ponto. Entretanto, até agora, o tribunal sul-africano apenas validou a prisão do ex-ministro nesta quarta-feira (09.01.) e na quinta-feira (10.01.) decidirá se pode sair em liberdade provisória mediante pagamento de caução.

Quanto à essa matéria Manjate esclarece que "a extradição só poderá ser decidida depois de todos esses anteriores pedidos serem definidos. Se eventualmente for autorizado o pagamento de caução não haverá extradição, sem dúvidas."

Boustani, o homem com visão...

Relativamente à Jean Boustani, trata-se de um negociador no Privinvest Group, empresa sedeada em Abu Dabi, detentora de um estaleiro naval que vendeu barcos de pesca à Ematum. Boustani terá concordo em pagar 50 milhões de dólares em subornos e comissões a representantes do Governo moçambicano, em dezembro de 2011, e 12 milhões de dólares a outros conspiradores na Privinvest, informa a Bloomberg.

Ouvir o áudio 04:06
Ao vivo agora
04:06 min

Jean Boutani, o libanês que "ultrapassou" Manuel Chang & companhia

A defesa propôs pagar dois milhões de dólares e arranjar casa para o acusado e a sua família em Nova Iorque, onde teria vigilância eletrónica, para minimizar o risco de fuga que a procuradoria receia. E face à proposta de colaboração com a justiça, o juiz Peggy Kuo assinou um despacho em que admite a "probabilidade razoável de as negociações em curso resultarem num veredicto sem julgamento".

Relativamente aos outros dois moçambicanos acusados, o CIP, ONG moçambicana que luta pela transparência, avança que se tratam de António Carlos do Rosário, ex-diretor da inteligência económica da secreta moçambicana e administrador das três empresas fundadas com o dinheiro das dívidas ocultas, e Teófilo Nhangumele.

Acredita-se que os nomes das duas figuras devem constar igualmente da lista de 18 arguidos da Procuradoria Geral da República, PGR, no caso das dívidas ocultas em Moçambique.

PGR não tem nada a fazer em relação aos outros dois acusados

 Manuel Chang vor Gericht Mosambik Finanzminister

Manuel Chang no Tribunal na África do Sul, onde decorre a audição

É possível uma intervenção antecipada da PGR para que tenham os seus processos conduzidos de forma diferente a de Chang? Manjate foi categórico na sua resposta: "Não, infelizmente não porque a PGR em Moçambique atrasou-se bastante em termos de atos processuais que devia ter praticado antes dos EUA terem tomado a dianteira."

E o jurista recorda que "o facto de ter anunciado nos últimos dias que alguns foram constituídos arguidos, se eventualmente forem arguidos cá em Moçambique, será necessário ver se os tipos legais de crimes de que são acusados nos EUA são os mesmo de que são acusados em Moçambique. Se forem os mesmos tipo legais de crime, os mesmos elementos tipificadores, certamente que Moçambique poderá ter algum interesse em punir os criminosos que tiverem praticado os crimes em Moçambique."

Entretanto, há factos que podem reduzir as esperanças dos visados de escapar das grades: "Mas ao que parece, pela acusação, há alguns tipos de crimes que não existem em Moçambique e isso poderá dificultar sobremaneira a recusa de extradição, mesmo com Manuel Chang."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados