Incursão militar ruandesa em território congolês gera indignação | NOTÍCIAS | DW | 22.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Incursão militar ruandesa em território congolês gera indignação

Autoridades congolesas confirmam incursão ruandesa na República Democrática do Congo. Civis relatam tiroteio entre militares dos dois países, e Parlamento congolês convoca ministro da Defesa para dar explicações.

DRK Symbolbild FARDC

Foto ilustrativa de militar congolês no Kivu Norte

Após a incursão das tropas do Exército ruandês na segunda-feira (22.10) no território da República Democrática do Congo (RDC), residentes do Kivu do Norte estão a pedir providências às autoridades congolesas.

Integrantes das Forças de Defesa Ruandesas (RDF, na sigla em inglês) conseguiram entrar na RDC e ocupar seis aldeias no Kivu Norte, uma província de histórica instabilidade que tem estado sitiada há mais de seis meses.

Homens armados fizeram a incursão na RDC e foram identificados como soldados ruandeses, segundo fontes oficiais congolesas. Em Kibumba, os residentes que testemunharam o tiroteio, como Arsène Kenzire, lamentaram a ausência de militares suficientes na fronteira para se opor à incursão.

Kenzire disse à equipa reportagem da DW África que, apesar da "falta de pessoal", militares congoleses conseguiram capturar soldados ruandeses.

"Foi aqui que a troca de tiros entre estes dois exércitos começou. O que é grave é que as Forças Armadas da República Democrática do Congo (FARDC) tinham falta de pessoal, retiraram-se e deixaram o terreno para os soldados ruandeses", diz o residente de Kibumba.

DRK Symbolbild FARDC

Residentes reclamam de falta de efetivo na fronteira

Província sitiada

Para a população, é difícil compreender como pode ocorrer a incursão de um Exército estrangeiro numa província sitiada.

Para Josué Walayi, residente de Nyiragongo, o incidente é antes de tudo uma humilhação.

"É uma humilhação grave. O Governo deve dizer-nos qual é o verdadeiro objetivo do estado de sítio. Estamos a compreender que não é realmente o objetivo de trazer de volta a paz ao Kivu Norte. Desde que o estado de sítio começou, não temos visto qualquer progresso", reclama.

Para enfrentar este tipo de incidente e o desafio de garantir e restaurar a autoridade estatal, o deputado Juvénal Munubo, membro da Comissão de Defesa e segurança da Assembleia Nacional, recomenda o reforço do exército congolês.

DR Kongo Beerdigung von Etienne Tshisekedi

Presidente do Ruanda, Paul Kagame, com o Presidente congolês Félix Tshisekedi em 2019

Tropas desmotivada

Mnundo sugere que é necessário continuar com o recrutamento dentro das FARDC porque os desafios são imensos para a segurança da RDC.

"Devemos encorajar os jovens a aderir efetivamente às FARDC. Mas há um problema com a supervisão daqueles que já se encontram nas FARDC. Existe um problema de motivação que não facilita a tarefa de recrutamento", explica o parlamentar.

Estes problemas não são novos. E esta não é a primeira vez que este tipo de incursão militar em solo congolês é relatada. Para garantir respeito pela integridade do território nacional, Juvénal Munubo propõe agilização da reforma das FARDC.

"Podemos fazê-lo reforçando a diplomacia, devemos ter uma diplomacia que se imponha e nos faça respeitar na regiã", sugere o deputado.

Para o parlamentar reforçar a vigilância das fronteiras e modernizar a administração das fronteiras com equipamentos apropriados é outra medida importante. "Devemos obviamente lutar contra a corrupção dos agentes nos postos fronteiriços", salienta.

O ministro da Defesa da RDC, Gilbert Kabanda, terá de se explicar sobre o incidente aos deputados congoleses. O deputado Jackson Ausse apresentou esta terça-feira (19.10) um pedido ao gabinete da Assembleia Nacional para que Kabanda seja questionado.

Assistir ao vídeo 01:41

Mulheres soldado ruandesas em Moçambique

Leia mais