Hong Kong: Manifestantes desafiam polícia | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 03.08.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Hong Kong: Manifestantes desafiam polícia

Milhares de pessoas voltaram a sair às ruas, este sábado (03.08), em Hong Kong, em protesto contra o polémico projeto de lei de extradição. Para este domingo (04.08), estão previstas duas novas marchas.

Milhares de manifestantes reuniram-se, este sábado (03.08), em Mong Kok, um movimentado bairro comercial com um histórico de acolhimento de manifestações pró-democracia, em Hong Kong, na China.

Os manifestantes ignoraram os limites impostos pela polícia e ultrapassaram o local definido para o fim da manifestação, mesmo depois da polícia ter alertado, num 'briefing' antes da manifestação, que seria considerado ilegal ultrapassar este limite e que qualquer protesto que não tivesse sido autorizado seria considerado assembleia ilegal. As autoridades afirmaram mesmo estar preparadas para intervir se a situação se tornar "intolerável".

No entanto, o editor-chefe do jornal estatal Global Times, Hu Xijin, afirma ser  improvável que haja intervenção militar. "O Exército de Libertação do Povo de Hong Kong é um símbolo da soberania nacional e não pode ser considerado como apoio policial", disse Hu.

Hongkong Anti-Regierungsproteste - Graffitiaufschrift Free Hong Kong Revolutions of our Times

Os protestos em Hong Kong tiveram início há já dois meses.

Ainda assim, e atendendo ao uso crescente da força por parte das autoridades, os manifestantes assumiram algum receio. "Estou um pouco preocupado com a possibilidade das autoridades usarem a violência contra os manifestantes, porque o trajeto da manifestação é feito por ruas estreitas, e se quisermos abandoná-lo, pode ser difícil escapar da polícia", disse um manifestante.

Nova greve

Por outro lado, garantiu à AFP, Ah Kit, de 36 anos, "quanto mais o governo nos reprimir, mais sairemos".

Durante os protestos deste sábado (03.08), os ativistas ergueram barricadas num centro comercial popular do bairro Mong Kok, bloquearam um importante túnel da região e cercaram esquadras da polícia onde os serviços não urgentes foram suspensos.

Para além das manifestações deste sábado em Mong Kok, uma área onde os manifestantes instalaram uma zona de protesto pró-democracia em 2014, estão previstas duas outras marchas para este domingo (04.08). Na segunda-feira (05.08), é esperada uma nova greve.

O apelo à greve desta segunda-feira parece estar a ganhar mais força do que as paralisações anteriores, com uma série de organizações e sindicatos a garantirem a sua participação.

Hongkong Anti-Regierungsproteste - Schild mit der Aufschrift Independet Inquiry

As autoridades de Hong Kong acusaram formalmente, esta semana, 44 pessoas de participarem em tumultos.

Dois meses de protestos

Hong Kong vive há dois meses um clima de contestação social, com milhares de pessoas nas ruas contra uma proposta de lei que permitiria ao Governo e aos tribunais da região administrativa especial chinesa a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

A proposta foi, entretanto, suspensa, mas as manifestações generalizaram-se e denunciam agora o que os manifestantes afirmam ser uma "erosão das liberdades" na antiga colónia britânica. Os protestantes exigem agora eleições diretas e uma investigação à alegada brutalidade policial.

Os protestos que duram há dois meses e que têm sido maioritariamente pacíficos foram evoluindo para confrontos com a polícia devido à recusa de alguns manifestantes em dispersar às horas previstas. Nos últimos dois meses foram vandalizados edifícios e atirados tijolos pelos manifestantes, tendo a polícia respondido com gás lacrimogéneo e balas de borracha. Esta semana, as autoridades de Hong Kong acusaram formalmente 44 pessoas de participarem em tumultos, o que acarreta uma pena de até 10 anos de prisão. 

Leia mais