Histórico do MPLA defende saída de dos Santos da liderança do partido | Angola | DW | 22.11.2017

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Histórico do MPLA defende saída de dos Santos da liderança do partido

É a opinião de Ambrósio Lukoki. Mas o politótologo Agostinho Sicato entende que se João Lourenço assumir a presidência do partido corre o risco de se desviar dos seus ideais.

João Lourenço (esq.) e José Eduardo dos Santos (centro) durante a reunião do Comité Central do MPLA (03.02.17)

João Lourenço (esq.) e José Eduardo dos Santos (centro) durante a reunião do Comité Central do MPLA (03.02.17)

"A verdade é que, como partido MPLA [Movimento Popular de Libertação de Angola], temos que acabar com o "José Eduardismo" para sempre", afirmou numa uma conferência de imprensa, em Luanda, esta terça-feira (21.11), Ambrósio Lukoki.

O antigo embaixador de Angola na Tanzânia disse que, durante os quase 40 anos de governação, José Eduardo dos Santos só soube fazer mal ao povo e cometeu atos de corrupção e de nepotismo.

Ango,la Ambrosio Lukoki

Ambrósio Lukoki

"O "José Eduardismo" é o tal reinado com absolutismo de quase 40 anos", prosseguiu o histórico membro do partido no poder desde a independência de Angola, em 1975.

Angola vive uma profunda crise financeira e cambial desde 2014 causada pela quebra nas receitas com a exportação de petróleo, situação que obrigou as autoridades a lançarem várias medidas de austeridade e de limitação no acesso a divisas nos bancos.

Ambrósio Lukoki acusou o atual presidente do MPLA de não ter conseguido resolver o problema durante a presidência do país. "José Eduardo prometeu que em seis meses íamos ultrapassar a crise, porque era só um choque. Esse choque que estamos a viver até hoje", criticou.

A DW África tentou, sem sucesso, o contacto com a direção do MPLA.

João Lourenço na liderança do MPLA?

Na opinião do politólogo Agostinho Sicato, as declarações do ex-embaixador representam "a voz de um grupo de militantes do MPLA que quer também que as coisas sejam melhoradas", a nível interno do partido e no país. "E um deles que está a juntar-se a esta voz é o próprio Presidente da República, João Lourenço", acrescentou.

Ouvir o áudio 03:01

Histórico do MPLA defende saída de dos Santos da liderança do partido

Segundo Ambrósio Lokoki, a presença de José Eduardo dos Santos está a causar mal-estar no seio do partido. E sugere que João Lourenço, que é também o vice-presidente dos "camaradas", assuma a liderança.

No entanto, o politólogo Agostinho Sicato entende que, se isso acontecer, João Lourenço poderá desviar-se dos ideais que está a defender.

"Se for presidente do MPLA será obrigado a ter que seguir milimetricamente os ideais do partido. E João Lourenço já mostrou claramente que não está com nenhum ideal do MPLA, está a andar com o discurso que a oposição apresentou", referiu Agostinho Sicato.

Agostinho Sicato reiterou, contudo, que o partido deve encontrar um sucessor para José Eduardo dos Santos, pois o ex-chefe de Estado angolano já fez a sua parte. "O MPLA não vai a lado bom com José Eduardo dos Santos, porque este já fez a sua parte. Em Angola já tivemos indivíduos que disseram que José Eduardo foi um enviado de deus para governar Angola. O MPLA tem sempre pessoas capazes", rematou o politólogo.

Leia mais