″Há um grupo de bandidos que pensa que pode desestabilizar a Guiné-Bissau″ | Guiné-Bissau | DW | 19.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

"Há um grupo de bandidos que pensa que pode desestabilizar a Guiné-Bissau"

O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, afirmou hoje que há um "grupo de bandidos que pensa que pode desestabilizar" a Guiné-Bissau, que não há cultura de rapto e que espancamento de jornalistas é lamentável.

"Na Guiné-Bissau não temos a cultura de rapto. Espancamento de jornalistas é lamentável. Mas há um grupo de bandidos que pensa que pode desestabilizar este país, o que não é verdade, ninguém pode desestabilizar este país", afirmou Umaro Sissoco Embaló, salientando que se acontecer alguma coisa ninguém vai sair do território nacional.

O chefe de Estado guineense falava à comunicação social no Palácio da Presidência, depois de questionado sobre os ataques ocorridos recentemente no país.

Guinea-Bissau Journalisten für Pressefreiheit

Jornalistas guineenses têm sido alvo de ataques (foto de arquivo)

"Este país está cansado de perturbações por parte de seis pessoas. A campanha eleitoral acabou. Eu sou o Presidente da Guiné-Bissau durante os próximos anos. Estão a acusar o meu segurança de ter espancado o jornalista [Adão Ramalho], esse estava comigo em Dacar", disse.

No dia 12, o jornalista guineense Adão Ramalho foi espancado pelas forças de segurança, quando fazia a cobertura da chegada ao país de Domingos Simões Pereira, líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

"É para ver a capacidade de manipulação e de intriga. Eu não sou homem de violência", salientou o Presidente.

"Estou calado a ver as pessoas a fazerem teatro"

Em relação à alegada tentativa de sequestro do deputado Marciano Indi, na quarta-feira (17.03), Umaro Sissoco Embaló lembrou que a Presidência guineense não tem viaturas próprias e que são as suas que estão a ser utilizadas.

"Estou calado a ver as pessoas a fazerem teatro. Vou deixar a cobra entrar, mas vou atuar no momento oportuno. Ouvi as pessoas a virem com o velho truque [golpe de Estado], mas as pessoas não se esqueçam do aviso do general Biagué (chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas). Quem tentar golpe de Estado será morto", frisou.

Umaro Sissoco Embaló lamentou também que acusem o ministro do Interior de andar a espancar pessoas na "calada da noite", quando as pode deter à "luz do dia". "Este país está hoje num nível que não tínhamos há 20 anos. Aqui não haverá perturbação. É desta forma que perturbaram o Presidente José Mário Vaz até que ele saiu", sublinhou.

O Presidente guineense reafirmou que sua atuação é outra e que os seus "seguranças são homens de verdade". "Aqui não é o Senegal. Não pode existir um Sonko aqui. Temos um 'modus faciendi' diferente do Senegal, porque a nossa democracia é diferente", disse Embaló, referindo-se aos incidentes registados em Dacar nas últimas semanas depois da detenção de Ousmane Sonko, visto como opositor do Presidente senegalês, Macky Sall, e muito popular entre os jovens.

Assistir ao vídeo 03:27

Esta é a minha cidade: Bissau

Leia mais