Há hipóteses de João Lourenço não vencer as eleições do MPLA? | Angola | DW | 26.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Há hipóteses de João Lourenço não vencer as eleições do MPLA?

Moção de apoio a João Lourenço levanta dúvidas sobre chances reais de outros candidatos à presidência do partido. Dirigentes do MPLA dizem que críticas à democracia interna do partido não passam de "ruídos".

A moção de apoio à recandidatura de João Lourenço ao cargo de presidente do MPLA levanta dúvidas sobre a chance real dos múltiplos candidatos que se colocam como alternativa para a liderança do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). Analistas ouvidos pela DW África arriscam que esteja a decorrer uma espécie de "simulação de democracia interna" no partido, que seria descortinada no seu VIII Congresso.

As receções de candidaturas encerram-se no dia 5 de novembro, e António Venâncio é o único militante que formalizou a intenção de concorrer à presidência, para além da aprovação da recondução do atual líder.

No sábado (23.10), o comité Provincial do MPLA em Luanda organizou uma marcha de apoio a candidatura de João Lourenço. Por outro lado, o engenheiro civil António Venâncio, o único militante que manifestou a intenção de disputar a liderança, ainda não recebeu apoio público de nenhum membro do partido.

As chances de Venâncio

Venâncio precisa ter 2 mil apoiantes para concorrer no congresso, mas não preenche os espaços noticiosos dos principais meios de comunicação controlados pelo Governo – o que o deixa em condições desiguais em termos de propaganda política.

Angola | Mitglied der MPLA António Venâncio

Venâncio enfrentaria condições desiguais de propaganda

Para o analista Osvaldo João, a história de múltiplas candidaturas no MPLA não passa de truque de "manipulação" para provar uma "suposta" democracia interna. Osvaldo João crê que o partido mostra mudanças superficiais, que não se fazem sentir internamente.

"É natural que ele [António Venâncio] venha publicamente manifestar a intenção de concorrer à presidência e que o MPLA tenha políticas internas que possam apoiar a sua candidatura. Mas conseguimos ver apenas posições que os militantes tomam de forma a diversificar a dinâmica do partido", afirma.

Já o coordenador do Projeto Agir, Fernando Sakuayela Gomes, considera que a moção da direção do MPLA à candidatura de João Lourenço demonstra concorrência desleal. Para Sakuayela Gomes, o pré-candidato - que se mostra irredutível na ideia de enfrentar o Presidente João Lourenço no congresso - tem sido isolado.

O ativista chama a atenção que os órgãos públicos não estiveram presentes à conferência de imprensa de António Venâncio. Sakuayela Gomes defende que já seja altura de o partido que governa Angola desde a independência enfrente opiniões diferentes internamente.

"A pluralidade, que também se tentou abraçar nos novos tempos, fica novamente beliscada. Esperamos que o MPLA consiga se refazer do monopartidarismo, da monovisão, da mononomenclatura para poder contextualizar-se", opina.

Angola | Fernando Sakuayela Gomes

Sakuayela: "A pluralidade fica beliscada"

Não passam de "ruídos"

Para Joaquim Mingues, membro da Subcomissão de Mandatos da Comissão Preparatória do VIII Congresso Ordinário do MPLA, a realizar-se de 9 a 11 de dezembro em Luanda, essas críticas não passam de "ruídos" e garante que o MPLA concede tratamento igual aos candidatos.

Mingues explica que o sistema eleitoral do partido prevê diferentes etapas: o período de candidaturas, de campanha eleitora e de eleição em congresso. "É o sistema que consideramos ser o melhor às especificidades do partido e creio que está aqui a se fazer alguma confusão. Os militantes que participam da eleição para presidente fá-lo-ão em congresso", disse o político do MPLA em declarações à rádio MFM.

Num áudio publicado nas redes sociais, Tchizé dos Santos - política que foi suspensa do Comité Central do MPLA - fez saber que almeja a Presidência de Angola e fez um apelo aos demais integrantes do partido.

"Aos camaradas que têm trajetória, que têm capacidade, apresentem-se para apoiarmos outras listas. Se mais [membros] não têm coragem de se apresentar, apresentem-me, para tirar este camarada que destrói o nosso partido", disse a filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos.

Assistir ao vídeo 01:11

Que influência terá José Eduardo dos Santos no atual cenário político angolano?

Leia mais