Guiné-Conacri: Violência marca votação | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 22.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Guiné-Conacri: Violência marca votação

Uma pessoa morreu e várias ficaram feridas em confrontos com a polícia que respondeu com gás lacrimogéneo, este domingo (22.03). A Guiné-Conacri realiza eleições legislativas e um referendo para alterar a Constituição.

Guinea Conakry Ausschreitungren bei Parlamentswahl (AFP/C. Binani)

Polícias perante assembleia de voto, em Conacri

Pouco depois do início das votações, jovens atacaram a polícia posicionada do lado de fora de uma assembleia de voto em uma escola em Ratoma, um subúrbio da capital Conakry, segundo um repórter da AFP e outras testemunhas. Em outra escola próxima, o equipamento de votação foi vandalizado.

Um homem de 28 anos foi morto a tiro e várias outras pessoas foram feridas em outro subúrbio de Conakry, Hamdallaye, o irmão da vítima confirmou à AFP. As autoridades não responderam aos pedidos da agência noticiosa francesa para confirmar a morte.

Confrontos por toda a parte

Também houve confrontos em outros subúrbios de Conakry, como Cosa, Dar-es-salam e Lambanyi, onde jovens da oposição atiraram pedras na polícia que respondeu com gás lacrimogêneo enquanto garantiam a continuação da votação, disseram um jornalista da AFP e testemunhas.

Tiros também foram ouvidos em algumas partes de Conakry, de acordo com um jornalista da AFP.

Guinea Conakry Ausschreitungren bei Parlamentswahl (AFP/C. Binani)

Cédulas de votação foram vandalizadas

A agitação também eclodiu em Mamou no centro, em Boke no oeste e em N'Zerekore, e os manifestantes destruíram material eleitoral em regiões ao sul e ao nordeste, segundo testemunhas.

"Espero que tudo transcorra em paz e calma e que o povo guineense, como em 1958, mostre a sua maturidade", disse Condé após votar em Conakry, fazendo referência ao referendo que abriu o caminho para a independência do país. 

Os críticos questionaram se a votação deste domingo poderá ser considerada justa, uma vez que decorre em meio à crescente preocupação com a disseminação do novo coronavírus em África.

Referendo

No referendo deste domingo, o Presidente Alpha Condé, que se tornou o primeiro presidente democraticamente eleito do país em 2010, propõe uma mudança na Constituição para codificar a igualdade de gênero e introduzir outras reformas sociais.

Mas os seus oponentes temem que o verdadeiro motivo seja redefinir os limites do mandato presidencial, permitindo que Condé, de 82 anos, concorra a um terceiro mandato no final deste ano - um cenário que seu Governo não descartou. 

Desde outubro, os guineenses protestam em massa contra a possibilidade de o Presidente estender a sua permanência no poder. A morte de domingo elevou o número total de pessoas mortas nos protestos para 32, de acordo com uma contagem da AFP.

Assistir ao vídeo 03:45

Esta é a minha cidade: Conacri

Leia mais