Guiné-Conacri defende reforço da cooperação com a Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 20.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Conacri defende reforço da cooperação com a Guiné-Bissau

O Presidente de transição da Guiné-Conacri, o coronel Mamadi Doumbouya, defendeu um reforço da cooperação com a Guiné-Bissau no âmbito de uma visita que o chefe de Estado guineense, Umaro Sissoco Embaló, efetuou ao país.

Mamadi Doumbouya agradeceu a visita de Umaro Sissoco Embaló ao país

Mamadi Doumbouya agradeceu a visita de Umaro Sissoco Embaló ao país

Numa declaração conjunta à imprensa, em Conacri, esta quarta-feira (20.10), o Presidente de transição da Guiné-Conacri, o coronel Mamadi Doumbouya, disse estarem conscientes dos numerosos e complexos desafios, mas estarem determinados a assegurar a sua missão.

Em 05 de setembro, uma junta militar liderada pelo coronel Mamadi Doumbouya derrubou o Presidente Alpha Condé, de 83 anos, que se mantém detido desde então, dissolveu o parlamento e os poderes civis eleitos, tendo ainda suspendido a Constituição.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) decidiu, após uma cimeira extraordinária, suspender a Guiné-Conacri de todas as instituições da organização na sequência do golpe que afastou o Presidente Alpha Condé e exigiu a sua libertação.

Reforço da cooperação

Na declaração, Mamadi Doumbouya agradeceu a visita de Umaro Sissoco Embaló ao país, num momento em que as novas autoridades precisam de compreensão, apoio e acompanhamento, salientando que é uma oportunidade de reforçar a cooperação entre os dois países, sendo a questão de segurança a mais premente.

O Presidente da Guiné-Bissau, que divulgou fotos da visita no seu perfil no Twitter, manifestou a sua satisfação em visitar a Guiné-Conacri, terra da sua avó, e salientou que o passado não deve ser esquecido, referindo-se ao apoio dado por Conacri à luta pela independência do seu país.

Umaro Sissoco Embaló disse que não existem golpes de Estado necessários e que o povo da Guiné-Conacri deve viver em paz, reforçando que apesar de não ter boas relações no passado com o Presidente deposto, Alpha Condé, sempre disse que as relações entre países ultrapassam as pessoas.

Insistindo que se deve privilegiar as relações entre os povos e os Estados e não entre homens, o Presidente da Guiné-Bissau, dirigindo-se a Mamadi Doumbouya, disse-lhe também que tinha um grande trabalho pela frente, num país divido do ponto de vista étnico, que deve ser de todos.

Já de regresso a Bissau, Sissoco Embaló disse: "Fiquei surpreendido, encontrei um homem muito estruturado e organizado. Para ele a unidade nacional é muito importante".

Assistir ao vídeo 02:35

Guiné-Conacri: "Não haverá caça às bruxas", promete coronel Doumbouya

Conversa com os golpistas

Umaro Sissoco Embaló já tinha admitido, em setembro, a disponibilidade pessoal para conversar com os autores do golpe em Conacri. "A Guiné-Bissau tem experiência e sabe qual é consequência de um golpe de Estado. Aconteceu aqui várias vezes, mas hoje em dia esse ciclo fechou o que permitiu que o Presidente José Mário Vaz tenha completado os cinco anos do seu mandato", enfatizou Embaló, na altura.

O Presidente guineense, que condenou o golpe militar na Guiné-Conacri, disse ser contra as alterações à Constituição, mas também afirmou serem "comportamentos anormais" que um dirigente "com 90 ou 100 anos" fique no poder como Presidente da República.

Para Umaro Sissoco Embaló, a idade máxima no cargo de Presidente da República é 65 anos, sair para a reforma, dar oportunidade aos mais novos, sem pensar num terceiro mandato, frisou.

"Eu e o Presidente Alpha não somos amigos, nem quero ser amigo dele e nem ele quer ser meu amigo, mas fomos homólogos. Condeno o golpe de Estado porque não sou subversivo, portanto não pactuo com aqueles que fazem um golpe", referiu Embaló, salientando que é a favor da libertação do Presidente derrubado.

Leia mais