Guiné-Conacri: Candidatos da oposição rejeitam resultados eleitorais | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 30.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Guiné-Conacri: Candidatos da oposição rejeitam resultados eleitorais

Dez candidatos da oposição rejeitaram os resultados provisórios que deram vitória ao Presidente Alpha Condé, reeleito com 59,5% dos votos. Manifestações vão ser retomadas na próxima semana.

Cellou Dalein Diallo, líder da oposição

Cellou Dalein Diallo, líder da oposição

Dez candidatos da oposição na Guiné-Conacri rejeitaram esta sexta-feira (30.10) os resultados provisórios das eleições de 18 de outubro e apelaram ao retomar das manifestações. 

A votação deu vitória ao Presidente Alpha Condé, de 82 anos, reeleito com 59,5% dos votos expressos, segundo a Comissão Nacional Eleitoral (CENI). "Tendo em conta as graves irregularidades registadas antes, durante e depois da votação, os participantes decidiram rejeitar categoricamente os resultados provisórios proclamados", disse Dalein Diallo, que ficou em segundo lugar nas eleições. 

Juntamente com outros nove candidatos, Dalein Diallo apelou para o retomar das manifestações de rua na próxima terça-feira (03.11). "Vamos emitir um comunicado de imprensa pedindo a suspensão das manifestações até terça-feira", continuou Cellou Diallo, que já tinha rejeitado os resultados logo que estes foram anunciados. 

Na sequência deste anúncio, eclodiram em Conacri vários confrontos entre opositores e forças de segurança. "A partir de terça-feira retomaremos as manifestações pacíficas nas ruas e praças públicas para denunciar o assalto eleitoral em curso e exigir o reconhecimento da nossa vitória", acrescentou.

O líder da oposição, Cellou Dalein Diallo, foi creditado com 33,5% dos votos, uma votação contestada por Diallo, que se tinha declarado vencedor do escrutínio no dia seguinte às eleições. 

De acordo com o Governo, a violência pós-eleitoral deixou 21 pessoas mortas, incluindo membros das forças de segurança. A oposição, por seu lado, denunciou uma "repressão sangrenta" que fez pelo menos 27 mortos. 

Assistir ao vídeo 03:45

Esta é a minha cidade: Conacri

Leia mais