Guiné-Bissau: Sissoco diz que novo Governo será conhecido nos próximos dias | Guiné-Bissau | DW | 01.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Sissoco diz que novo Governo será conhecido nos próximos dias

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, garante que o novo Governo do país será conhecido dentro de dias. E afirma que nenhum partido poderá fazer exigências para a nova formação de "iniciativa presidencial".

Sissoco Embaló: Este não é um Governo de Parlamento, isto é um Governo de iniciativa presidencial

Sissoco Embaló: "Este não é um Governo de Parlamento, isto é um Governo de iniciativa presidencial"

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, afirmou esta terça-feira (31.05) que o novo Governo do país será conhecido nos próximos dias.

"Esta semana, nas próximas horas, nos próximos dias temos Governo", disse o chefe de Estado quando questionado pelos jornalistas no aeroporto internacional Osvaldo Vieira após o seu regresso ao país, proveniente do Senegal.

Sobre se estão a ser feitas exigências por parte dos partidos políticos para a formação do novo Governo, Umaro Sissoco Embaló disse que nenhum partido pode exigir.

"Este não é um Governo de Parlamento ou de partidos políticos, isto é um Governo de iniciativa presidencial", afirmou, sublinhando que, até ao momento, nenhum partido fez qualquer exigência.

O Presidente guineense dissolveu a 16 de maio o parlamento da Guiné-Bissau, convocou eleições legislativas antecipadas para 18 de dezembro e reconduziu no cargo o primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam, e o vice-primeiro-ministro, Soares Sambu.

Reflexões Africanas: As ameaças à democracia da Guiné-Bissau

Cimeira extraordinária da UA

Umaro Sissoco Embaló viajou sábado para participar na cimeira extraordinária da União Africana sobre terrorismo e mudanças inconstitucionais de regime em África, que se realizou em Malabo, na Guiné Equatorial.

Sobre o assunto, o chefe de Estado guineense salientou que a "questão do terrorismo é uma questão internacional" e que na Guiné-Bissau é preciso também "ter cautela".

"Com os nossos meios, com as nossas forças de defesa e segurança temos a situação controlada. Mas a questão do terrorismo é mundial e muitos países têm sido vítimas. Penso que aqui ainda não chegamos a uma situação de alarmismo", afirmou.

África foi palco em 2021 e 2022 de cinco golpes de Estado - dois no Mali e um na Guiné-Conacri, Sudão e Burkina Faso -, e uma tentativa de golpe fracassada na Guiné-Bissau.

Em Malabo, os líderes africanos discutiram também soluções africanas para as crises humanitárias do continente, tendo praticamente todos os presidentes defendido a criação de uma Agência Humanitária Africana, que possa estar a trabalhar em 2023.

A comissária da União Africana para Assuntos Humanitários, Minata Samaté, afirmou serem necessários cerca de 42 milhões de euros para que aquela agência possa funcionar durante cinco anos.

"A Guiné-Bissau contribui com 100.000 dólares", afirmou o chefe de Estado guineense.

As "escolhas" da Guiné-Bissau, segundo Simões Pereira

Leia mais