Guiné-Bissau refém de caprichos de ″Jomav″? | Guiné-Bissau | DW | 26.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau refém de caprichos de "Jomav"?

Angola diz que Guiné-Bissau não pode ficar "refém de caprichos pessoais" do Presidente José Mário Vaz. Enquanto isso, líder do PAIGC tem encontros agendados na ONU, em Nova Iorque.

Manuel Augusto (DW/J. Carlos)

Manuel Augusto, chefe da diplomacia angolana

O ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Domingos Augusto, disse esta quarta-feira (26.06.) em Lisboa, que a Guiné-Bissau "não pode ficar refém de caprichos pessoais" do Presidente José Mário Vaz que, três meses após as eleições, continua sem nomear o Governo. 

"Não pode aquele povo da Guiné-Bissau ficar refém de caprichos pessoais. A comunidade internacional está atenta e vai aumentar a pressão", disse Manuel Augusto, à margem do encontro anual do Conselho Europeu para as Relações Exteriores, que decorreu durante dois dias em Lisboa.

Posição da CEDEAO

Manuel Augusto lamentou, por outro lado, a falta de uma posição coesa da Comunidade Económica dos Estados da África Ociental (CEDEAO) relativamente à crise na Guiné-Bissau.

"Infelizmente, sentimos que a comunidade económica regional, a CEDEAO, está dividida e esta é uma das razões pelas quais alguns atores políticos na Guiné-Bissau tentam tirar proveito", disse.

CPLP-Gipel (CPLP)

Foto de arquivo: Cimeira da CPLP em Cabo Verde (2018)

O ministro angolano assegurou que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) está a agir, adiantando que da reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da comunidade, agendada para 19 de julho, em Cabo Verde, sairá "uma posição mais forte".

"Estamos otimistas que aqueles que estão a tentar impedir o processo [democrático] na Guiné-Bissau vão acabar por desistir e dar conta que não há clima para continuarem a manter um país e um povo refém de uma pessoa", reforçou.

Recorde-se que a Guiné-Bissau realizou legislativas em 10 de março, mas o novo primeiro-ministro só foi nomeado no sábado (22.06.), depois da CEDEAO ter admitido impor sanções a quem criasse obstáculos à concretização da ordem democrática e ter imposto até domingo passado para a situação ficar resolvida.

O Presidente guineense, que domingo (23.06.) cumpriu cinco anos de mandato e marcou eleições presidenciais para 24 de novembro, continua sem nomear o Governo, não tendo aprovado a lista de nomes proposta pelo primeiro-ministro Aristides Gomes.

Líder do PAIGC com encontros na ONU

 O líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, viajou na terça-feira (25.06.) para Nova Iorque para encontros nas Nações Unidas, anunciou fonte do partido. 

"Concretamente vai ter encontros nas Nações Unidas" para analisar a situação política na Guiné-Bissau, disse a fonte, sem especificar com quem serão os encontros. 

Fonte da ONU disse à Lusa que o comité executivo do secretário-geral da Nações Unidas reuniu-se na terça-feira para discutir a situação na Guiné-Bissau.

O PAIGC foi o partido que venceu as legislativas e apesar não ter a maioria fez um acordo de incidência parlamentar e governativa com mais três partidos, conseguindo obter 54 dos 102 deputados do parlamento da Guiné-Bissau.

O partido indicou o nome do seu líder, Domingos Simões Pereira, para o cargo de primeiro-ministro, mas o Presidente recusou, acabando por nomear Aristides Gomes, depois de apresentada nova proposta pelo partido.

Madem-G15 critica líder do PAIGC

Guinea-Bissau Bissau- Oppositionsparteien PRS und MADEM (DW/F. Tchuma Camará)

Foto de arquivo: Militantes e simpatizantes do PRS e do Madem-G15

O Movimento para a Alternância Democrática da Guiné-Bissau (Madem-G15) rejeitou esta quarta-feira as acusações do líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, sobre uma alegada tentativa de golpe de Estado.

"O Madem-G15 rejeita categoricamente estas informações completamente falsas, desenquadradas, estéreis, irresponsáveis e perigosas, com a única finalidade de branquear as verdadeiras razões que conduziram à nomeação atabalhoada de Aristides Gomes como primeiro-ministro", refere, em comunicado divulgado à imprensa, o partido, criado por um grupo de dissidentes do PAIGC.

No comunicado, o Madem-G15 lamenta também a "postura solitária do líder do PAIGC ao decidir sem nenhuma prova concreta lançar ataques contra o chefe de Estado de um país vizinho e irmão, que tem ajudado a Guiné-Bissau em diversos momentos de desencontro entre guineenses".

Campanha de desinformação

Belgien Brüssel Eröffnung der Geberkonferenz von Guinea-Bissau (DW/M. Sampaio)

Domingos S. Pereira

O partido, o segundo mais votado nas legislativas de 10 de março, alerta também o povo guineense e a comunidade internacional sobre as "maquiavélicas e vergonhosas campanhas de desinformação conduzidas por Domingos Simões Pereira" sobre o alegado fim do mandato do Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz.

O presidente do PAIGC acusou terça-feira o chefe de Estado guineense de tentar realizar um golpe de Estado, com apoio do Senegal, para nomear um Governo de iniciativa presidencial.

O presidente do PAIGC explicou que a "intenção não foi consumada ou terá sido abortada", porque dois dos seus "principais colaboradores", referindo-se a Braima Camará, coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), e Sola Nanquilim, vice-presidente do Partido de Renovação Social (PRS), o "teriam avisado de que as estruturas de apoio poderiam não suster a reação de outras forças de defesa e segurança e a fúria popular".  "Nós suspeitamos que, para além disso, não teria recebido luz verde do padrinho da sub-região (o Presidente do Senegal, Macky Sal), que tem coordenado toda esta operação e outros desmandos do Presidente José Mário Vaz", salientou.

Assistir ao vídeo 01:27

"Famílias guineenses sobrevivem graças aos emigrantes"

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados