Guiné-Bissau: PRS vai integrar Governo de iniciativa presidencial | NOTÍCIAS | DW | 05.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Guiné-Bissau: PRS vai integrar Governo de iniciativa presidencial

Partido de Renovação Social analisou em Bissau o convite de Umaro Sissoco Embaló para integrar o novo Executivo após a destituição do anterior. "O PRS foi sempre o partido que esteve e está ao lado do PR", diz porta-voz.

O Partido da Renovação Social (PRS), terceira força política no Parlamento dissolvido da Guiné-Bissau, vai tomar parte no Governo de iniciativa presidencial em processo de formação, disse este domingo (05.06) aos jornalistas Raimundo Yalá, novo porta-voz do partido.

A deliberação saiu da reunião da Comissão Política hoje reunida em Bissau para, entre outros, analisar o convite que o PRS recebeu do Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló para integrar o novo Executivo da sua iniciativa.

Umaro Sissoco Embaló dissolveu o Parlamento guineense, no dia 16 de maio passado, demitiu o Governo, mas manteve o primeiro-ministro, Nuno Nabiam e o vice-primeiro-ministro, Soares Sambú, aos quais incumbiu a tarefa de preparar as eleições legislativas que antecipou para 18 de dezembro próximo.

No entanto, Embaló anunciou que será da sua iniciativa a formação do novo Governo, tendo feito convites formais aos cinco partidos que detinham bancadas no Parlamento dissolvido.

"PRS sempre esteve ao lado do PR"

"Tendo em conta que o partido foi convidado formalmente pelo Presidente da República a integral o Governo de iniciativa presidencial a Comissão Política mandatou a direção superior do partido no sentido de continuar a entabular os contactos com o Presidente tendo em vista a integração do Governo", afirmou Raimundo Yalá.

Questionado pela agência Lusa sobre se o PRS tem condições para integrar o Executivo, o porta-voz do partido disse que "à partida, sim".

"O PRS foi sempre o partido que esteve e está ao lado do Presidente da República (...) à partida que existam condições, por isso a Comissão Política mandatou a direção superior para entabular os contactos com o Presidente da República", observou Raimundo Yalá.

Ao lado dos partidos Movimento para a Alternância Democrática (Madem G-15) e a Assembleia do Povo Unido -- Partido Social Democrático (APU-PDB), o PRS apoiou a candidatura de Umaro Sissoco Embaló na segunda volta das eleições presidenciais de 2020.

Reflexões Africanas: As ameaças à democracia da Guiné-Bissau

Leia mais