Guiné-Bissau: PR ainda não recebeu pedido de demissão do ministro da Economia | Guiné-Bissau | DW | 07.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: PR ainda não recebeu pedido de demissão do ministro da Economia

Umaro Sissoco Embaló diz que não recebeu qualquer pedido de demissão do ministro da Economia. Vitor Mandinga anunciou a sua saída do Governo, após a nomeação de um vice-primeiro-ministro pelo Presidente.

"Não recebi nada e nem o primeiro-ministro me disse nada. Vocês têm de ter cuidado com as 'fake news'. Até este momento, o primeiro-ministro não me enviou nada. Não sei se há algum pedido de demissão. Soube através da comunicação", afirmou Umaro Sissoco Embaló este sábado (07.11).

O Presidente guineense falava no aeroporto internacional Osvaldo Vieira, em Bissau, momentos antes de viajar para a Mauritânia, onde vai realizar uma visita oficial.

O ministro da Economia guineense, Vitor Mandinga, apresentou na última quinta-feira (05.11) a sua demissão do cargo, depois de o chefe de Estado ter nomeado, sob proposta do primeiro-ministro, um vice-primeiro-ministro, que vai acumular a pasta da Presidência do Conselho de Ministros e a coordenação da área económica.

Präsidentschaftswahl in Guinea-Bissau 2014 Vítor Mandinga

Vitor Mandinga, ministro da Economia da Guiné-Bissau

Em carta enviada à agência de notícias Lusa, na quinta-feira, Vitor Mandinga pediu considerou que foi esvaziado das suas competências orgânicas com a nomeação do vice-primeiro-ministro, Soares Sambú.

Situação do ex-primeiro-ministro

Entretanto, questionado pelos jornalistas sobre o encerramento, em dezembro, do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS) e sobre a situação de segurança do antigo primeiro-ministro Aristides Gomes, que está refugiado na sede daquela missão há vários meses, Sissoco Embaló afirmou que "não é uma questão de segurança".

O chefe de Estado disse que não saber se Aristides Gomes lá está porque "ninguém lá pode ir", salientando que não sabe se o vão levar e que isso é um problema da UNIOGBIS.

A Procuradoria-Geral da República da Guiné-Bissau, Fernando Gomes, afirmou que há três processos contra o antigo primeiro-ministro e que já pediram à ONU para ser ouvido, mas os advogados de Aristides Gomes têm acusado o Ministério Público de "perseguição política". 

"Agora, uma coisa é verdade, o império da lei funciona na Guiné-Bissau e ninguém está acima da lei na Guiné-Bissau, nem o Presidente da República", disse, salientando que agora no país há tolerância zero contra a corrupção. "A desordem acabou na Guiné-Bissau. Os filhos da Guiné-Bissau têm de viver em paz", disse.

Assistir ao vídeo 02:44

Guiné-Bissau: "Se Aristides Gomes sair da ONU corre o risco de ser assassinado"

Leia mais