Guiné-Bissau: PAIGC denuncia “construção de cenários” para culpá-lo pelo ataque | NOTÍCIAS | DW | 06.02.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Guiné-Bissau: PAIGC denuncia “construção de cenários” para culpá-lo pelo ataque

O Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) denunciou a “construção de cenários” para responsabilizar o partido pelo ataque ao palácio do governo e impedir a realização do seu congresso.

Um comunicado da comissão permanente do partido, divulgado neste sábado (05.02) à imprensa e com data de sexta-feira (04.02), refere que o partido recolheu "informações e evidências” da "construção de cenários, que permitem transferir para o PAIGC e a sua liderança todas as responsabilidades, ao mesmo tempo que compromete de forma séria a realização do congresso do partido”.

A comissão permanente do PAIGC explica que chegou a essa conclusão com base no comunicado do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), segunda força política no parlamento e no Governo, que "tenta de forma leviana e irresponsável imputar responsabilidade” ao PAIGC.

A nomeação de um novo diretor para a Polícia Judiciária e prorrogação do estado de alerta, no âmbito do combate à covid-19, que proíbe a realização de atividades sociais, culturais e políticas, após se terem realizados os congressos de dois partidos, são outras da justificações apontadas pela comissão permanente do PAIGC para a acusação.

Reuniões clandestinas

Guinea-Bissau I Putschversuch in Bissau gescheitert, mehrere Tote

PAIGC denuncia reuniões clandestinas de Sissoco

Outra razão apontada pelo partido é a mobilização de uma força de apoio à estabilização decidida pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), sem a "prévia e devida auscultação” da Assembleia Nacional Popular, parlamento do país.

O PAIGC aponta também como justificação as "reuniões clandestinas” feitas pelo Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, onde participaram vários dirigentes partidários, incluindo do PAIGC e "tentativas de implementar novas evidências que associem elementos deste partido às ocorrências de 01 de fevereiro, tudo com o claro propósito de chegar”, indica o comunicado.

No comunicado, a comissão permanente do PAIGC afirma que a data do congresso do partido, se mantém inalterada.

O partido deverá realizar o seu congresso entre 17 e 20 de fevereiro.

Homens armados atacaram na terça-feira (01.02), o Palácio do Governo da Guiné-Bissau, onde decorria um Conselho de Ministros, com a presença do Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, e do primeiro-ministro, Nuno Nabiam.

Guinea-Bissau I Putschversuch in Bissau gescheitert, mehrere Tote

Homens armados atacaram na semana finda a sede do Governo guineense

O ataque causou pelo menos oito mortos, segundo o último balanço do Governo, que reviu em baixa o número de vítimas mortais.

O Presidente considerou tratar-se de uma tentativa de golpe de Estado que poderá também estar ligada a "gente relacionada com o tráfico de droga”.

O Estado-Maior General das Forças Armadas guineense iniciou, entretanto, uma operação para recolha de mais indícios sobre o ataque, que foi condenado pela comunidade internacional.

Na sequência dos acontecimentos, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) anunciou o envio de uma força de apoio à estabilização do país.

A Guiné-Bissau é um dos países mais pobres do mundo, com cerca de dois terços dos 1,8 milhões de habitantes a viverem com menos de um dólar por dia, segundo a ONU.

Desde a declaração unilateral da sua independência de Portugal, em 1973, sofreu quatro golpes de Estado e várias outras tentativas que afetaram o desenvolvimento do país.

As "escolhas" da Guiné-Bissau, segundo Simões Pereira