Guiné-Bissau: PAIGC acusa Ministério Público de ″irresponsabilidade″ | Guiné-Bissau | DW | 23.02.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: PAIGC acusa Ministério Público de "irresponsabilidade"

PAIGC reagiu à medida de coação aplicada pelo Ministério Público contra Domingos Simões Pereira. Para o partido, o MP agiu com "incompetência e irresponsabilidade".

O Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) acusou esta quarta-feira (23.02), em comunicado, o Ministério Público guineense de "incompetência e irresponsabilidade" ao aplicar uma medida de coação ao líder do partido, Domingos Simões Pereira.

"No cumprimento da agenda política do regime, o Ministério Público pôs, desta vez, a nu toda a sua incompetência e irresponsabilidade, interpretando de forma errónea e invertida o Código de Processo Penal em matéria dos requisitos para aplicação de medida de coação", refere, em comunicado, o PAIGC, liderado por Domingos Simões Pereira.

Manifestando o seu "repúdio e indignação" ao despacho do Ministério Público, o PAIGC salienta que o "que até aqui era prenúncio de intimidação e perseguição política" para tirar a liderança do partido a Domingos Simões Pereira e impedir a realização do congresso "tornou-se uma realidade" para todos o que defendem a democracia e o Estado de Direito.

Medida de coação

O Ministério Público guineense enviou na segunda-feira um despacho à Assembleia Nacional Popular no qual determina a imposição de medida de coação de permanência no território a Domingos Simões Pereira, por o parlamento guineense estar a demorar a responder ao pedido de levantamento de imunidade ao deputado.

Guinea Bissau PAIGC Domingos Simões Pereira

Domingos Simões Pereira, líder e deputado do PAIGC

O Ministério Público pediu à Assembleia Nacional Popular para "permitir" que Domingos Simões Pereira fosse "interrogado na qualidade de suspeito", em 01 de fevereiro, no âmbito do processo denominado Resgate.

Este processo está relacionado com o alegado apoio financeiro por parte do Governo a instituições bancárias, mas Simões Pereira alega que o acordo para essa ajuda foi assinado em novembro de 2015, quando já não era primeiro-ministro, cargo que assumiu entre julho de 2014 e agosto de 2015.

A mesa da Assembleia Nacional Popular analisou terça-feira o pedido, mas falta o parecer da Comissão de Ética. A reunião da comissão permanente para analisar o assunto foi adiada por falta de quórum e por causa da falta do parecer da comissão.

"Total desrespeito"

O partido considera que a decisão do Ministério Público revela um "total desrespeito pela Assembleia Nacional Popular", que "enquanto detentor da imunidade dos deputados e órgão de soberania é hierarquicamente superior ao Ministério Público".

 O PAIGC salienta também que só ao parlamento "compete levantar a imunidade, mediante a apresentação de elementos e indícios, devidamente comprovados, antes de serem deferidos pela Comissão de Ética à comissão permanente ou plenária".

Esta é a terceira vez que o Ministério Público da Guiné-Bissau pede o levantamento da imunidade parlamentar de Domingos Simões Pereira. A primeira vez ocorreu em 2018 e a segunda vez em julho de 2021. O parlamento guineense recusou sempre levantar a imunidade do deputado.

Em 2021, na sequência do pedido, a Comissão de Ética do parlamento decidiu unanimemente não levantar a imunidade do líder do PAIGC por falta de existência de elementos suficientes.

As "escolhas" da Guiné-Bissau, segundo Simões Pereira

Leia mais