Guiné-Bissau: ″Ninguém vai morrer por falta de oxigénio nos hospitais″ | Guiné-Bissau | DW | 04.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: "Ninguém vai morrer por falta de oxigénio nos hospitais"

A União Europeia entregou este sábado materiais e equipamentos médicos à Guiné-Bissau para combater a Covid-19 e reduzir a mortalidade materno-infantil. Magda afirma que "ninguém vai morrer por falta de oxigénio".

A embaixadora da União Europeia na Guiné-Bissau, a portuguesa Sónia Neto, entregou este sábado (04.07) à alta-comissária do país para o combate ao novo coronavirus, Magda Robalo, um conjunto de equipamentos médicos, no âmbito de um pedido feito nesse sentido.

Na ocasião, Sónia Neto afirmou que o gesto se enquadra "na tão nobre missão" que é ajudar a Guiné-Bissau no combate à covid-19, disse.

Entre outros equipamentos, a União Europeia entregou oxímetros de pulso, aparelhos de gasometria, reagentes, seringas, máscaras, monitores hemodinâmicos, ventiladores não invasivos e respetivos acessórios para a monitorização de doentes críticos.

Os equipamentos foram adquiridos no âmbito do Projeto de Apoio à Resposta à Pandemia de Covid-19 (PAR Covid-19) na Guiné-Bissau, implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flor, orçado em 230 mil euros.

O projeto visa a melhoria da capacidade de resposta dos serviços de saúde guineenses no capítulo de diagnóstico, monitorização, tratamento dos problemas respiratórios, uma das principais causas da morte pela Covid-19.

Mais apoios à Guiné-Bissau

Ainda em resposta aos apelos das autoridades guineenses, a embaixadora da UE anunciou que vai disponibilizar "uma contribuição extra" no valor de 1,3 milhões de euros, a serem entregues à delegação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Guinea Bissau | EU | Lieferung von Material zur Bekämpfung von Covid-19

União Europeia oferece materiais e equipamentos médicos à Guiné-Bissau

O lote de equipamentos médicos oferecidos pela União Europeia também inclui materiais no âmbito do Programa Integrado para a Redução da Mortalidade Materno Infantil (PIMI II) na Guiné-Bissau.

Ao receber o donativo, a alta-comissária contra a covid-19 na Guiné-Bissau, Magda Robalo não escondeu a "dupla satisfação" pelos equipamentos do combate à pandemia, mas também pelos materiais para redução da mortalidade materno-infantil.

Magda Robalo considera fundamental que reforce o sistema de saúde guineense, dando atenção às outras doenças, sob pena de o país conhecer mais mortes durante este período da pandemia.

"Ninguém vai morrer por falta de oxigénio"

A responsável aproveitou a ocasião "para tranquilizar" as pessoas em como o país já ultrapassou a fase crítica em termos de oxigénio e que neste momento, disse, "ninguém vai morrer por falta de oxigénio" nos hospitais.

Desde que a doença foi declarada na Guiné-Bissau, em finais de março, mais de 1700 pessoas já foram infetadas, entre as quais 25 morreram.

Assistir ao vídeo 01:11

Covid-19: Guiné-Bissau recebe carregamento de chá de Madagáscar

Leia mais