Guiné-Bissau: Ministério do Interior ″pede desculpas″ e garante protesto de grevistas | NOTÍCIAS | DW | 27.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Guiné-Bissau: Ministério do Interior "pede desculpas" e garante protesto de grevistas

União Nacional dos Trabalhadores recebe garantia de segurança para manifestação esta quarta-feira. Sindicalista diz que membros do Ministério do Interior pediram desculpas pela repressão ao protesto do dia 14 de julho.

O secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau (UNTG), Júlio Mendonça, disse esta terça-feira à Lusa ter recebido "garantias de segurança" do Ministério do Interior para o protesto de trabalhadores, previsto para quarta-feira.

"Ontem (segunda-feira) tivemos uma reunião com o Ministério do Interior que deu garantias de segurança para os manifestantes", afirmou Júlio Mendonça.

Segundo o secretário-geral da UNTG, o Ministério do Interior deu também garantias para o protesto a realizar a 03 de agosto, feriado nacional, que assinala o massacre de Pindjiguiti, quando a polícia colonial portuguesa reprimiu um protesto de trabalhadores guineenses, provocando a morte a pelo menos 50 pessoas.

Julio Mendonca UNTG Generalsekretr in Guinea Bissau

Mendonça: "Pediram desculpas pelo incidente"

Pedido de desculpas

"Pediram também desculpa pelo incidente" ocorrido no protesto realizado a 14 de julho, disse Júlio Mendonça.

A polícia da Guiné-Bissau dispersou no passado dia 14 com gás lacrimogéneo algumas dezenas de pessoas que se manifestavam pacificamente em frente à sede da principal central sindical do país para exigirem melhores condições de trabalho.

A central sindical tem convocado, desde dezembro, ondas de greves gerais na função pública, para exigir do Governo, entre outras reivindicações, a exoneração de funcionários contratados sem concurso público, melhoria de condições laborais e o aumento do salário mínimo dos atuais 50.000 francos cfa (76 euros) para o dobro.

Assistir ao vídeo 05:22

Qual é o impacto das greves na Guiné-Bissau?

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados