Guiné-Bissau está a construir-se e um dia será ″um país normal″, diz ministro | Guiné-Bissau | DW | 30.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau está a construir-se e um dia será "um país normal", diz ministro

O ministro das Finanças guineense, João Fadiá, defendeu que a Guiné-Bissau está a construir-se e a aprender, mostrando-se confiante de que um dia será "um país normal", apesar das crises políticas.

João Fadiá: Um Estado não se constrói de um dia para o outro

João Fadiá: "Um Estado não se constrói de um dia para o outro"

"É um Estado que se vai construindo. Um Estado não se constrói de um dia para o outro, todos têm crises e com o tempo vamos aprendendo e vamos resolvendo, até um dia passarmos a ser um país normal", disse Fadiá em entrevista à agência de notíias Lusa à margem dos encontros anuais do BAD, em Acra, neste fim de semana.

O ministro respondia assim à pergunta sobre se as crises políticas da Guiné-Bissau afetam a imagem do país nos fóruns internacionais.

Questionado sobre como é que a Guiné-Bissau vai conseguir gerir a crise provocada pela guerra na Ucrânia quando o Governo está em gestão, após o Presidente ter dissolvido o Parlamento, Fadiá disse que a "dor de cabeça" de gerir a crise e o aumento global dos preços dos combustíveis e dos alimentos é a mesma, esteja o Governo em plenas funções ou em gestão.

As "escolhas" da Guiné-Bissau, segundo Simões Pereira

O ministro disse que Governo já tomou algumas medidas: "Baixou alguns impostos sobre produtos de primeira necessidade, sobre os combustíveis, para poder manter o preço em certo nível, para não afetar muito o bolso da população".

"Isso acarreta perda de receitas, o que vai ter as suas consequências, naturalmente, mas não havia outra alternativa, senão fazer um gesto para manter a população com capacidade para pelo menos comprar o arroz, comprar açúcar, comprar farinha, o pão e também pagar o transporte a nível que seja ainda aceitável", acrescentou. 

Dissolução do Parlamento

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, dissolveu o Parlamento no passado dia 16, alegando que os deputados estavam a transformar a Assembleia Nacional Popular num "espaço de guerrilha", e marcou eleições legislativas antecipadas para 18 de dezembro.

Na sequência da dissolução do Parlamento, o chefe de Estado emitiu um decreto a manter o primeiro-ministro guineense, Nuno Nabiam e o vice-primeiro-ministro, Soares Sambú, no cargo.

Guinea-Bissau I Putschversuch in Bissau gescheitert, mehrere Tote

PR guineense, Umaro Sissoco Embaló, dissolveu o Parlamento e convovou eleições legislativas para 18 de dezembro

A sociedade civil guineense criticou esta decisão de Embaló, acusando o chefe de Estado de colocar em causa a estabilização política, social e económica da Guiné-Bissau por ter "dificuldades" em respeitar os princípios constitucionais.

Apoio do BAD

A Guiné-Bissau quer ampliar os apoios que recebe do Banco Africano de Desenvolvimento para produzir mais arroz e até exportá-lo, disse o ministro das Finanças, defendendo que "África precisa do mundo, mas o mundo também precisa da África".   

"Cada dia está se evidenciando a interdependência que há entre os países e é preciso que se aproveite a potencialidade da África, por exemplo, na produção de cereais. (...) No caso da Guiné-Bissau, temos capacidade de produzir o arroz. Em vez de importarmos arroz, podíamos ser exportadores", disse João Fadiá à margem dos encontros anuais do BAD.

Referindo-se ao Plano Africano de Produção Alimentar de Emergência de 1,5 mil milhões de dólares (cerca de 1,4 mil milhões de euros) que o BAD anunciou para ampliar a produção agrícola de África e responder à crise alimentar provocada pela guerra na Ucrânia, o ministro guineense disse que Bissau vai recorrer a este apoio.

Explicou que o país em curso projetos na área da produção de arroz apoiados pelo banco que "não chegam", pelo que o país vai "tentar obter mais fundos", através desse plano para poder ampliar a produção de arroz. 

Reflexões Africanas: As ameaças à democracia da Guiné-Bissau

Leia mais