Guiné-Bissau: Despacho que manda prender ministro é ignorado | Guiné-Bissau | DW | 25.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Despacho que manda prender ministro é ignorado

24 horas depois de um juiz ter mandado prender o ministro dos Transportes, Jorge Mandinga, a ordem ainda não foi cumprida, alegadamente por não ter sido notificado.

Jorge Mandinga, ministro dos Transportes e das Telecomunicações (centro)

Jorge Mandinga, ministro dos Transportes e das Telecomunicações (centro)

O juiz Alberto Leão Carlos ordenou na segunda-feira (24.08) a detenção imediata do ministro dos Transportes e das Telecomunicações, Jorge Mandinga, por alegadamente mandar libertar um navio da empresa Maersk Line, que o juiz mandou apreender a 10 de agosto.

O despacho ainda não foi cumprido e o ministro desdobrou-se esta terça-feira (25.08) em contactos com as autoridades competentes. Inicialmente estava previsto um posicionamento oficial do Governo, mas acabou por ser adiado após uma reunião entre o primeiro-ministro Nuno Gomes Nabiam e o ministro dos Transportes.

No despacho, com data de segunda-feira e confirmado pelo Ministério Público à agência noticiosa Lusa, Alberto Leão Carlos salienta que "impendem sobre a pessoa do ministro fortes indícios da prática de um crime de obstrução à atividade jurisdicional, sendo ainda o autor moral pela sua atitude deliberada de um outro crime de desobediência".

Guinea-Bissau | Luis Petit in Bissau

Jurista Luís Petit

Ministro devia ser detido, afirma jurista

Em entrevista à DW África, o jurista guineense Luís Petit refere que, ao violar o despacho de um juiz, Mandinga deve "obviamente" ser detido, independentemente do cargo que desempenha.

"Em circunstâncias algumas o ministro pode ir contra o despacho do juiz, que mandou apreender o navio no âmbito de um processo judicial". Ao fazê-lo, "o ministro obstruiu uma decisão judicial", sublinha Petit.

Para o jurista, nada justifica que o ministro recorresse ao primeiro-ministro para mandar libertar o navio. Se a empresa ou o ministro estavam contra a apreensão do navio, a decisão teria de ser contestada junto do tribunal, obedecendo aos procedimentos habituais: "Mesmo havendo a salvaguarda dos interesses superiores da nação, teria que ser feito no âmbito do próprio processo em si".

Quanto à possível detenção do ministro, o jurista Luís Petit diz que é "uma obrigação legal a colaboração das forças operacionais e os tribunais, no sentido de efetivarem qualquer decisão judicial".

Se o despacho do juiz não for cumprido e Jorge Mandinga não for detido, o Governo estaria a incorrer "num outro crime, de desobediência".

Fonte do Executivo guineense disse à DW África que Mandinga ainda não foi oficialmente notificado da decisão do juiz.

Assistir ao vídeo 01:16

Eleição da Federação de Futebol da Guiné-Bissau: Nova data só em novembro

Leia mais