Guiné-Bissau: Aristides Gomes lança apelo às Forças Armadas | NOTÍCIAS | DW | 08.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Guiné-Bissau: Aristides Gomes lança apelo às Forças Armadas

O primeiro-ministro deposto por Umaro Sissoco Embaló pediu às forças de defesa que restaurem a legalidade constitucional, depois de o porta-voz das Forças Armadas afirmar que não estão a intervir na crise política.

Numa carta enviada ao chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, general Biaguê Na Ntan, Aristides Gomes congratula-se com as afirmações do porta-voz das forças de defesa e "solicita o apoio das Forças Armadas para em conjunto com as forças da Ecomib" (força de interposição da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental) promoverem uma série de ações para a "restauração da legalidade constitucional e democrática".

Entre as várias ações, Aristides Gomes propõe a desocupação do Supremo Tribunal de Justiça, do Palácio do Governo e de vários edifícios onde estão instalados ministérios e secretarias de Estado, que considera estarem "ocupados por quadros estranhos às previsões constitucionais".

Aristides Gomes pede também a "proteção física ao Presidente interino Cipriano Cassamá e aos demais quadros da política que cumprem a Constituição da Guiné-Bissau" e que a operação seja iniciada segunda-feira para o país voltar à "normalidade constitucional e democrática". 

O porta-voz das Forças Armadas guineenses, coronel Ussumane Conaté, disse na sexta-feira (06.03) que a instituição não tem qualquer intervenção na crise política no país e desmentiu que tenha existido alguma ordem no sentido de desalojar os membros do Governo demitido.

Desde há uma semana que o primeiro-ministro do Governo deposto, Aristides Gomes, tem feito relatos de membros da sua equipa a serem desalojados à força ou impedidos de aceder aos seus gabinetes por militares.

Para Ussumane Conaté, a existir alguma ação do género, poderá ser através do batalhão afeto ao Palácio da Presidência, ocupado desde 27 de fevereiro por Umaro Sissoco Embaló, que se autoproclamou Presidente da Guiné-Bissau.

Leia mais