Guerra na Ucrânia: Guterres alerta para colapso do sistema alimentar mundial | NOTÍCIAS | DW | 14.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Guerra na Ucrânia: Guterres alerta para colapso do sistema alimentar mundial

O secretário-geral da ONU diz que o mundo tem de agir para prevenir "um furacão de fome e um colapso do sistema alimentar global", na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia.

"Devemos fazer todo o possível para evitar um furacão da fome e um colapso do sistema alimentar global". O alerta foi lançado esta segunda-feira (14.03) pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, numa altura em que o Conselho de Segurança da ONU se reúne para abordar a segurança e cooperação na Europa.

"A guerra vai além da Ucrânia. É também um ataque às pessoas e países mais vulneráveis do mundo", avisou Guterres, apelando ao fim imediato das hostilidades.

António Guterres apontou as consequências económicas da guerra em países em desenvolvimento, que, além de terem sido fustigados pela pandemia de Covid-19, veem agora o seu "cesto de pão" a ser bombardeado. "A Rússia e a Ucrânia representam mais da metade da oferta mundial de óleo de girassol e cerca de 30 por cento do trigo do mundo. A Ucrânia sozinha fornece mais da metade do suprimento de trigo do Programa Mundial de Alimentos", lembrou.

"Os preços dos alimentos, combustíveis e fertilizantes estão a subir rapidamente. As cadeias de fornecimento estão a ser interrompidas. E os custos e atrasos no transporte de mercadorias importadas -- quando disponíveis -- estão em níveis recordes", lamentou, frisando que os mais pobres são os mais afetados por estes fatores.

António Guterres renovou assim o seu apelo para que os países "encontrem maneiras criativas de financiar" as crises humanitárias em todo o mundo, e cedam "imediatamente" fundos para esse fim.

Ukraine Charkiw | Zerstörte Gebäude und Autos

Cidade de Kharkiv após bombardeamentos russos.

ONU aloca mais 40 milhões de dólares para as vítimas

As Nações Unidas, por sua vez, vão alocar mais 40 milhões de dólares (36,4 milhões de euros) para a assistência vital aos "mais vulneráveis" e afetados pela guerra na Ucrânia, anunciou o secretário-geral.

"Enquanto milhões de pessoas na Ucrânia enfrentam fome e escassez de suprimentos de água e remédios, anuncio hoje que as Nações Unidas alocarão mais 40 milhões de dólares do Fundo Central de Resposta de Emergência para aumentar a assistência vital para alcançar os mais vulneráveis", informou Guterres num comunicado lido à imprensa na sede da ONU.

Este financiamento, segundo o secretário-geral, ajudará a obter suprimentos essenciais como "alimentos, água, medicamentos e outras ajudas vitais para o país, bem como fornecer assistência em dinheiro", acrescentou, ressaltando a "importância crucial de respeitar o Direito Internacional Humanitário".

Berlin Hauptbahnhof | Lebensmittel für Ukraine-Flüchtlinge

Distribuição de alimentos a refugiados ucranianos em Berlim.

Ameaça nuclear é de "arrepiar os ossos"

O secretário-geral recordou as "proporções terríveis" e as perdas que o ataque da Rússia já causou à Ucrânia, com pelo menos 24 unidades de saúde danificadas ou destruídas ou centenas de milhares de pessoas sem água ou eletricidade, assegurando que cerca de 600.000 pessoas já receberam algum tipo de ajuda da ONU.

"O meu apelo aos líderes é para que resistam à tentação de aumentar os orçamentos militares", defendeu Guterres, que estendeu ainda os seus apelos pelo fim das ameaças de conflito nuclear.

O secretário-geral das Nações Unidas afirmou que "aumentar o nível de alerta das forças nucleares russas é um desenvolvimento de arrepiar os ossos" e que a perspetiva de um "conflito nuclear, antes impensável, agora está de volta ao reino das possibilidades".

"É hora de parar o horror desencadeado sobre o povo da Ucrânia e seguir o caminho da diplomacia e paz", pediu o português.

Ucrânia: Uma guerra ainda sem fim à vista

Leia mais