Governo são-tomense realiza testes em massa à Covid-19 | São Tomé e Príncipe | DW | 13.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

Governo são-tomense realiza testes em massa à Covid-19

O Ministério da Saúde de São Tomé e Príncipe inicia no dia 17 testes massivos à Covid-19, para determinar o estado epidemiológico da população, estando o arranque marcado para a ilha do Príncipe.

A decisão foi tornada pública no final de mais uma reunião dos órgãos de soberania, na quarta-feira (12.08), destinada a avaliar a situação da pandemia no país, que decorreu no Palácio Presidencial, na capital, São Tomé. "A conclusão a que se chegou é que, de facto, é necessário massificar os testes, um processo que o ministro da Saúde anunciou que provavelmente iniciará já no dia 17 deste mês, na ilha do Príncipe, que depois estender-se-á à ilha de São Tomé", disse Adelino Lucas.

No discurso de abertura do encontro, o Presidente de São Tomé, Evaristo Carvalho, defendeu que é necessário "identificar as pessoas que podem contaminar outras" com o novo coronavírus. "Procurar testar o máximo possível, para se identificar pessoas que podem contaminar outras e, deste modo, implementar medidas de isolamento e proteção para conter a infeção, poderá ser uma necessidade", declarou Evaristo Carvalho.

Assistir ao vídeo 02:32

STP: Voo comercial excecional aterra em São Tomé

Entre sábado e segunda-feira, as autoridades sanitárias não registaram qualquer caso de infeção por covid-19 nos vários testes realizados. Na terça-feira registaram-se três novos casos e na quarta-feira mais um caso positivo.

"É verdade que o laboratório instalado com o apoio da Organização Mundial da Saúde ainda funciona a meio gás, continua-se à espera da ampliação da sua capacidade de resposta, e há questões de natureza meramente técnicas no setor da saúde que o Governo acredita serão resolvidas no quadro próprio", acrescentou o porta-voz do Governo.

Adelino Lucas, que é igualmente secretário de Estado da Comunicação Social, referiu que apesar dos "poucos casos" de infeção por covid-19 registados nos últimos dias pelas autoridades sanitárias de São Tomé e Princípe, o Governo vai prorrogar o estado de calamidade em vigor no país por mais 15 dias.

Receio de nova vaga

O executivo justifica a medida com o receio de "proximidade de uma nova vaga de Covid-19". "O que nós estamos a observar agora [o estado de calamidade] termina do dia 15 e logo a seguir o Conselho de Ministro publicará mais uma decisão", acrescentou o porta-voz do Governo.

Segundo Adelino Lucas, "é verdade que o número de casos continua a um ritmo bastante baixo". "Todavia, nós estamos inseridos numa região, no continente africano, onde nos últimos tempos os casos da pandemia têm crescido de forma assustadora", acrescentou, admitindo que o executivo "teme que ao nível da África" se possa "estar perante uma segunda vaga" da doença.

"Toda a cautela é necessária", declarou, defendendo o redobrar de esforços, pelo que "o Governo vai fazer com que medidas mais severas sejam adotadas na perspetiva de se respeitar as medidas como o distanciamento social, higienização e uso das máscaras".

De acordo com Adelino Lucas, a polícia da ordem púlica deverá "ser chamada a desempenhar o seu papel, não numa perspetiva de muscular a sociedade, mas de educação e sensibilização para esse problema de saúde publica".

No encontro, onde também estiveram presentes alguns antigos ministros e quadros técnicos da saúde, foi feito uma radiografia sobre a situação atual da pandemia e previsões sobre nos próximos tempos, tendo-se sugerido que se fizesse um "estudo global" sobre o novo coronavírus.

A reunião discutiu também a situação económica do país, tendo o chefe de Estado apelado ao Governo para se "adotar um modelo económico" que se coadune com este novo momento que se vive no país" e como poderá enfrentar os próximos tempos no período pós-Covid-19.

Leia mais