Governo rejeita ingresso de 12 ex-guerrilheiros da RENAMO na Polícia | Moçambique | DW | 18.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Governo rejeita ingresso de 12 ex-guerrilheiros da RENAMO na Polícia

Falta de requisitos leva Governo moçambicano a rejeitar a integração de 12 antigos guerrilheiros do principal partido da oposição na Polícia da República de Moçambique (PRM), disse o líder do partido, Ossufo Momade.

Mosambik Renamo Rebellen in den Bergen von Gorongosa

Foto ilustrativa

O líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) declarou esta quarta-feira (18.08): "Nós temos 35 guerrilheiros que vão ser integrados nas forças de proteção de altas individualidades [uma unidade da PRM], mas antes de irem para lá, há uma inspeção que é feita e quando fizeram a inspeção, 12 ficaram de fora e outros já seguiram".

Ossufo Momade falava à margem de um evento partidário, realizado na cidade da Beira, capital da província de Sofala, centro do país.

Nova seleção

O dirigente avançou que a RENAMO está a selecionar antigos guerrilheiros para integração na polícia que possam substituir os que foram devolvidos por falta de qualificações.

"Neste momento, estamos a fazer uma nova seleção de outros oficiais, para que possam fazer parte do grupo", afirmou.

Mosambik Ossufo Momade Führer von RENAMO

Ossufo Momade, líder da RENAMO

A integração de antigos guerrilheiros da RENAMO na PRM faz parte do processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) previsto no Acordo de Paz e Reconciliação Nacional assinado entre o Governo e a RENAMO, a 6 de agosto de 2019.

Os antigos guerrilheiros que serão integrados na polícia serão afetos à segurança da liderança e instalações da RENAMO, mas fazendo parte da orgânica da PRM.

Na semana passada, o principal partido da oposição acusou o Governo de atrasar a integração do referido grupo, recordando que a operação faz parte de uma das cláusulas do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional.

No âmbito do DDR, 2.307 ex-combatentes da RENAMO já foram para casa, de uma meta de cerca de cinco mil antigos guerrilheiros.

Assistir ao vídeo 02:11

Secretário-geral da RENAMO diz que DDR está no bom caminho

  

 

Leia mais