Governo moçambicano promete instalar pontes em zonas isoladas pelo mau tempo | Moçambique | DW | 03.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Governo moçambicano promete instalar pontes em zonas isoladas pelo mau tempo

O Governo moçambicano vai instalar duas pontes metálicas sobre os rios Montepuez e Messalo para restabelecer a circulação terrestre entre o centro e o norte de Cabo Delgado. Mau tempo isolou nove distritos na província.

"Estamos a mobilizar duas pontes metálicas a partir da província de Niassa e que vão ser uma resposta urgente para situação da intransitabilidade", disse à Lusa Venâncio Taimo, diretor provincial de Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos em Cabo Delgado, no norte de Moçambique.

As pontes, de 60 e 30 metros de comprimento, serão colocadas ao longo da Estrada Nacional 380, sobre os rios Montepuez e Messalo, que subiram de nível devido ao mau tempo, provocando o desabamento de uma ponte e interrompendo outro ponto da estrada, respetivamente. 

"O grande desafio que temos é restabelecer a ligação nesta via, é uma das principais da província", declarou Venâncio Taimo, acrescentando, no entanto, que é prematuro avançar datas, tendo em conta a chuva continua a cair.

Passagiere in der Nähe der Brücke am Fluß Montepuez, in Cabo Delgado, Mosambik

Passageiros à espera de passar para o outro lado do rio Montepuez

A interrupção da Estrada Nacional 380 isolou nove distritos e a travessia agora está a ser feita por embarcações, numa altura em que as autoridades procuram assistir as pessoas afetadas.

O mau tempo prevalece em Cabo Delgado, tendo subido o número de afetados de mais 8 mil pessoas para 10 mil, segundo dados mais recentes do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC).

O Governo moçambicano prometeu que nos próximos dias vão ser disponibilizados meios aéreos para apoiar a assistência às pessoas afetadas.

País em alerta laranja

Moçambique emitiu um alerta laranja para todas as províncias do país, como forma de dar celeridade à mobilização de recursos para a assistência a vítimas e à reposição de danos, tendo em conta que a época chuvosa no país só termina em abril.

Além de Cabo Delgado, o mau tempo atingiu uma parte de Nampula, mas em regime fraco e moderado, indicou à Lusa o delegado do INGC naquela província, Alberto Armando.

Em abril, alguns pontos da província de Cabo Delgado foram atingidos pelo ciclone Kenneth, que causou a morte a 45 pessoas e afetou outras 250 mil.

Um mês antes da passagem do Kenneth, o centro de Moçambique foi devastado pelo ciclone Idai, que provocou mais de 600 mortos e afetou cerca de 1,5 milhões de pessoas no centro do país, além de destruir várias infraestruturas.

Entre os meses de novembro e abril, Moçambique é ciclicamente atingido por ventos ciclónicos oriundos do Índico e por cheias com origem nas bacias hidrográficas da África Austral. No total, 714 pessoas morreram durante o período chuvoso em 2018/2019, incluindo 648 vítimas dos ciclones Idai e Kenneth.

Leia mais