Governo angolano suspende cobrança de propinas até à retoma das aulas | Angola | DW | 10.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Governo angolano suspende cobrança de propinas até à retoma das aulas

O Governo suspendeu o pagamento de propinas em todas as instituições públicas e privadas de ensino de Angola, até à retoma das aulas presenciais, ainda sem data prevista. Casos de Covid-19 aumentaram para 458.

A decisão foi dada a conhecer esta quinta-feira (09.07) através do decreto executivo conjunto n.º 201/20 dos ministérios da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação e da Educação.

Segundo o diploma, mantém-se suspensa a atividade letiva e académica em todos os níveis de ensino, por tempo indeterminado, estando o reinício dependente da evolução epidemiológica da Covid-19, em território nacional.

O documento indica ainda que as "prestações mensais das propinas pagas no período em que vigorou o Estado de Emergência devem ser deduzidas nos demais meses previstos no calendário do ano letivo e académico 2020 reajustado".

Os diferentes ministérios deverão "equacionar vários cenários de reajuste do calendário do ano letivo e do ano académico 2020, bem como a hipótese da sua anulação, caso não estejam reunidas as condições para o reinício das aulas presenciais durante o presente ano civil", indica o mesmo diploma.

Assistir ao vídeo 01:43

Angola: Sobreviver do lixo durante a pandemia

O reinício das aulas iria ter lugar entre os dias 13 e 27 de julho, para o 2.º ciclo do ensino secundário e ensino superior e para o 1.º ciclo do ensino secundário, bem como para o ensino primário, respetivamente.

No entanto, "nos últimos 15 dias, o país tem registado um incremento significativo de casos de infeção com o vírus SARS-CoV-2, facto que se consubstancia num quadro negativo da evolução epidemiológica da Covid-19 em território nacional", impedindo o reinicio das aulas nas datas previstas, justifica o diploma.

Cada cidadão em quarentena custa 77 euros por dia 

A ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, anunciou quinta-feira (09.07) 62 novos casos de Covid-19, o  maior número de sempre desde o início da pandemia, e mais um óbito. Angola regista já 458 casos positivos da doença, dos quais 23 óbitos, 117 recuperados e 319 ativos. 

O Governo angolano gasta 50.000 kwanzas (77 euros) por dia com cada cidadão em quarentena, revelou o coordenador da comissão multissetorial de prevenção e combate à covid-19, acrescentando que já cumpriram quarentena institucional cerca de 6.000 angolanos. 

Segundo o também ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Pedro Sebastião, metade destes cidadãos estiveram na capital, Luanda, e o tempo médio de permanência foi de 10 a 20 dias. Um custo elevado que rondará só em Luanda os três mil mihões de kwanzas (4,6 milhões de euros) sem contar com o que se gasta nas províncias, estimou. 

"Se juntarmos todo o material de biossegurança que foi adquirido poderão ver aquilo que representa o esforço do Governo para que o país esteja preparado", reforçou o ministro de Estado, acrescentando que nas suas várias rubricas a comissão já gastou 43 mil milhões de kwanzas (66 milhões de euros), nomeadamente na criação de centenas de camas e condições hospitalares nos centros de quarentena e de tratamento, hospitais de campanha, entre outros. 

Leia mais