Governo angolano ″surpreso″ com dívidas das missões diplomáticas | Angola | DW | 30.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Governo angolano "surpreso" com dívidas das missões diplomáticas

Secretária de Estado para Orçamento e Investimento Público manifestou-se surpresa com a questão da dívida das missões diplomáticas angolanas, quando foram já disponibilizados 40,1 milhões de euros para sua liquidação.  

Angola Fahne Flagge Symbolbild

Bandeira de Angola

Aia-Eza da Silva respondia à preocupação colocada pela presidente da comissão de Relações Exteriores, Cooperação Internacional e Comunidades Angolanas da Assembleia Nacional, Josefina Diakité, na discussão na especialidade da proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE) 2021.

Segundo a secretária de Estado para Orçamento e Investimento Público, há cerca de dois anos, depois de o Presidente angolano, João Lourenço, assumir funções, um dos primeiros dossiers que o Ministério das Relações Exteriores apresentou foi a situação das dívidas das missões diplomáticas.

A questão das alterações do câmbio foi a justificação apresentada pelos responsáveis dessas missões, contou a secretária de Estado para o Orçamento e Investimento Público, salientando que se queixavam também de que o Ministério das Finanças fazia as transferências sempre com a mente em kwanzas, moeda angolana, que "transformados em dólares eram quase nada".

João Lourenço

João Lourenço, Presidente de Angola

"A primeira solução que, na altura, nós, o Ministério das Finanças encontrámos foi que, [tendo em conta que] a situação não vai melhorar tão cedo, o melhor é redimensionar e esse processo começou", explicou.

As medidas na altura

Houve redução de pessoal, algumas embaixadas foram fechadas e "o processo foi avançando" sendo apurado um montante em dívida de, aproximadamente 33,4 milhões de euros", prosseguiu.

De acordo com Aia-Eza da Silva, o Ministério das Finanças defendeu, na altura, que "o importante era pagar a dívida, sim, mas que fosse uma dívida controlada".

Assim, foram constituídas equipas conjuntas entre o Ministério das Relações Exteriores e das Finanças para certificar, verificar e pagar.

"Saíram equipas nossas pelas várias missões, o montante que foi apurado não foi o que foi previamente declarado, pagou-se o que havia por se pagar", disse.

Contudo, continuou, devido a pressões para que se pagasse o restante:

"Mesmo sem apuração completa - porque as dívidas estavam aí e era a imagem de Angola e todos os embaixadores reclamavam junto do titular do poder Executivo - o dinheiro foi atribuído, com o compromisso das missões 'a posteriori' justificarem os pagamentos que fizeram".

Assistir ao vídeo 01:37

Luanda: Angolanos pedem a demissão de Edeltrudes Costa

E a prestação de contas?

A governante frisou que "muitas dessas missões nunca chegaram a justificar na totalidade [os pagamentos], e o dinheiro foi enviado".

"E qual não foi a nossa surpresa há um ano, novamente o Ministério das Relações Exteriores levantou a situação de que havia ainda dívidas por pagar junto das missões. E qual o montante ainda por se pagar? 48 milhões de dólares", referiu.

 Aia-Eza da Silva realçou que a imagem de Angola no exterior é uma grande preocupação para todos.

 "Fez-se outra vez esse levantamento de 48 milhões de dólares, ainda não se tinha terminado de justificar o dinheiro todo que foi dado", destacou Aia-Eza da Silva, notando que o dinheiro é disponibilizado agora em dólares para evitar o problema cambial.

"Enviou-se o pagamento de dívidas, pela segunda vez, ainda não temos justificativos. Mandámos uma carta ao ministro das Relações Exteriores há cerca de 15 dias, a pedir que nos justifiquem o que é que aconteceu com o segundo dinheiro que foi enviado", acrescentou.

Para a governante angolana, "é uma surpresa grande, a deputada Diakité ainda levantar o assunto de dívida, ou seja, como é que se faz? Já não temos mais respostas". 

Assistir ao vídeo 02:03

Mesmo com João Lourenço, angolanos não acreditam no fim da corrupção no país

Leia mais