Governo angolano reduz número de ministérios | Angola | DW | 28.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Governo angolano reduz número de ministérios

Ministra das Finanças, Vera Daves, diz que a fusão de algumas pastas ministeriais é para modernizar e racionalizar a administração central. Quantidade de ministérios foi reduzida de 28 para 21 pastas.

O executivo angolano diminuiu o número de ministérios e vai reorganizar a administração pública para adequar a estrutura do Estado à redução orgânica, de modo a fazer face à crise orçamental. Segundo a ministra das Finanças, Vera Daves, "foi aprovada a redução dos departamentos ministeriais de 28 para 21", com a fusão de algumas pastas ministeriais, nomeadamente o da Agricultura e Pescas. 

A decisão foi tomada na sexta-feira (27.03) na terceira sessão ordinária do Conselho de Ministros, que aprovou uma nova estrutura dos órgãos auxiliares do titular do poder executivo, com o objetivo de modernizar, racionalizar a administração central e melhorar o grau de eficiência e eficácia na prestação de serviço ao cidadão. 

"O próximo passo será trabalhar na iniciativa de fusão de institutos públicos e de direções nacionais resultantes desse exercício do encolhimento do aparelho do Estado", disse a ministra, recordando que o executivo, liderado por João Lourenço, já extinguiu 12 ministérios desde o início da legislatura.  

Segundo o comunicado final da reunião, o objetivo foi reduzir ao mínimo a possibilidade de existência de conflito de interesses e competências, bem como propiciar maior racionalização da despesa pública.

Nesse sentido foram feitas as fusões dos ministérios da Defesa com o dos Antigos Combatentes, o da Cultura com o da Hotelaria e Turismo, o dos Transportes com o das Telecomunicações e Tecnologias de Informação e o da Agricultura e Florestas com os das Pescas e do Mar. 

Revisão do Orçamento

O Governo de Angola prevê uma revisão significativa das previsões do Orçamento Geral do Estado (OGE), antecipando uma recessão de 1,2%, o petróleo abaixo de 35 dólares e o preço do quilate de diamante nos 100,3 dólares. 

"Angola está a ser atingida por uma onda de vários choques, ao nível da saúde pública", afirmou a ministra das Finanças, Vera Daves, que perante os quatro casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus acrescentou que o país está a ser atingido "pelas restrições na mobilidade, no comércio internacional" e "na produção de vários tipos de bens que se refletem em menores fluxos comerciais". 

O "mundo está em choque, muitas economias estão à beira do colapso, e Angola, na sua estratégia de resposta a estas ondas de choque, declarou a situação de emergência para conter a propagação da Covid-19 e salvar vidas, o objetivo é tentar assegurar que o menor número possível de angolanos e residentes em Angola seja contagiado e que haja baixas", frisou.

O OGE revisto será entregue até 15 de maio na Assembleia Nacional, mas a ministra já assumiu que os pressupostos poderão ser revistos se a situação continuar a degradar-se, pelo que "é preciso ir calibrando os pressupostos com os outros ministérios, e certamente haverá ainda ajustes a serem feitos". 

O Governo anunciou igualmente um amplo conjunto de medidas para controlar a despesa, que incluem o congelamento das entradas de novos funcionários públicos, a redução das verbas gastas na frota do Estado, a isenção de cobrança de IVA e direitos aduaneiros para produtos e a proibição de exportações de equipamentos médicos. 

Leia mais