Genocídio na Namíbia: Líderes Herero e Nama rejeitam acordo com a Alemanha | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 31.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Genocídio na Namíbia: Líderes Herero e Nama rejeitam acordo com a Alemanha

Líderes das etnias Herero e Nama rejeitam acordo proposto para reparar os crimes do regime colonial alemão. Pagamento de apoio de 1,1 mil milhões de euros ao longo de 30 anos foi considerado "insultuoso".

Os representantes dos povos Herero e Nama exigem que a cerimónia de assinatura planeada entre a Alemanha e a Namíbia seja adiada. O pagamento de apoio de 1,1 mil milhões de euros ao longo de 30 anos oferecidos pelo governo alemão são "uma revelação chocante", "inaceitável" e uma "afronta à nossa existência", disseram os representantes do Conselho de Chefes dos grupos étnicos.

O conselho é reconhecido pelo governo namibiano e publicou a declaração publicada esta segunda-feira (31.05). A quantia proposta pelo Governo alemão foi considerada "insultuosa" e foi rejeitada.

Por outro lado, o Conselho de Chefes saudou o reconhecimento do genocídio pelo Governo alemão, a admissão da culpa pelas atrocidades cometidas há mais de 100 anos e o pedido de perdão planeado.

Deutschland | Namibia | Aussöhnungsabkommen | Bundesaußenminister Heiko Maas

Ministro do Exterior Heiko Maas reconheceu oficialmente o genocídio

Negociação

Os representantes dos povos Herero e Nama querem que as reparações sejam renegociadas. Uma das autoridades tradicionais do povo Herero tinha classificou o acordo de um golpe de relações públicas da Alemanha e uma fraude do Governo namibiano.

Após quase seis anos de negociações, os governos alemão e namibiano tinham chegado a um acordo sobre a reconciliação na semana passada. O Conselho de Chefes disse agora que não tinha estado envolvido a tempo de consultar os grupos étnicos afetados.

O governo namibiano ficou surpreendido com a declaração dos chefes e falou de um forte revés. Zed Ngavirue, enviado especial e negociador do governo namibiano, disse à agência DPA que o Conselho dos Chefes tinha estado envolvido em todo o processo de negociações.

Obrigação moral

Ngavirue acrescentou que o Parlamento namibiano se encontra em recesso até 8 de junho, altura em que o primeiro-ministro deveria produzir um relatório sobre o assunto. "Penso que a Alemanha estava ciente do facto de que havia divisões neste país", disse Ngavirue.

Deutschland | Namibia | Aussöhnungsabkommen | Proteste in Berlin

Movimento de reparação tornou-se internacional

"É uma questão de todos nós avaliarmos até que ponto isto é algo a ser seriamente considerado e se nós (os governos namibiano e alemão) podemos gerir este processo".

O governo alemão tinha repetidamente sublinhado que, na sua opinião, não havia direito legal a compensação. Os 1,1 mil milhões de euros deviam ser entendidos como uma obrigação política e moral.

Histórico de atrocidades

O Reich alemão foi o poder colonial no que era então a África do Sudoeste alemão de 1884 a 1915 e foi derrubado por revoltas. Durante a Guerra de Herero e Nama de 1904 a 1908, houve um assassinato em massa que é considerado o primeiro genocídio do século XX. Os historiadores estimam que 65.000 em 80.000 Herero e pelo menos 10.000 de um total de 20.000 Nama foram mortos.

Desde 2015, o Ministério dos Negócios Estrangeiros alemão tem utilizado o termo genocídio para este efeito na sua língua geral. Berlim anunciou na semana passada que estava a reconhecer oficialmente as atrocidades como genocídio.

Assistir ao vídeo 03:13

Namíbia: Rapper EES luta contra a violência de género

Leia mais