General decreta estado de emergência no Sudão após golpe de Estado | NOTÍCIAS | DW | 25.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

General decreta estado de emergência no Sudão após golpe de Estado

Abdel-Fattah Burhan anuncia dissolução do Conselho Soberano que governava o país desde a queda de Omar al-Bashir. Militares mantém primeiro-ministro Abdullah Hamdok e autoridades do Governo presos em lugar desconhecido.

O principal general do Sudão declarou o estado de emergência esta segunda-feira (25.10), horas após as suas forças terem prendido o primeiro-ministro em exercício e outros altos funcionários do governo. Num discurso televisivo, o General Abdel-Fattah Burhan anunciou que estava a dissolver o Conselho Soberano governante do país, bem como o governo liderado pelo primeiro-ministro Abdalla Hamdok.

O militar disse que as disputas entre as facções políticas levaram os militares a intervir. Burhan afirmou que um novo Governo tecnocrata conduzirá o país a eleições.

O primeiro-ministro do Sudão, Abdullah Hamdok, está em prisão domiciliária e outros membros do governo também estão detidos por forças de segurança em Cartum, segundo a emissora Al-Hadath e o portal de notícias Sudan Tribune publicam esta segunda-feira.

Segundo o Ministério da Informação, o Sudão está a enfrentar um "golpe militar completo”. "Convidamos todos a marchar até que a tentativa de golpe de Estado seja impedida", publica a conta do Ministério da Informação no Facebook.

Segundo a mesma fonte, militares invadiram a sede da emissora estatal em Omdurman e detiveram vários funcionários durante golpe de Estado que está em curso no Sudão. O ex-líder rebelde Yasir Said Arman, do  foi preso de acordo com o que publica sua conta no Twitter.

Sudan's Premierminister Abdalla Hamdok

Primeiro-ministro Abdalla Hamdok foi detido por militares

Arman é o vice-presidente do Movimento Popular de Libertação do Sudão – Setor Norte (SPLM-N, na sigla em ingês), e foi preso em sua residência. O ex-líder rebelde foi conselheiro de Hamdok depois de o seu grupo insurrecto assinar um acordo de paz em 2020 com autoridades de transição e prometer integrar-se ao exército.

Manifestação contra o golpe

De acordo com a organização britânica Netblocks, que documenta as interrupções da Internet em todo o mundo, a Internet, a rede de telemóveis e parte da rede fixa foram interrompidas desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira.

Em resposta à ação militar, milhares inundaram as ruas de Cartum e Omdurman para protestar contra a aparente tomada do poder pelos militares. Em imagens partilhadas online mostrariam manifestantes a bloquear ruas e incendiar pneus reprimidos pelas forças de segurança com gás lacrimogéneo.

Segundo a agência AP, os manifestantes gritavam: "O povo é mais forte" e "Retroceder não é uma opção!''.

Reações internacionais

O chefe da diplomacia da União Europeia (EU), Josep Borrell, publicou no Twiter que está a seguir os acontecimentos na nação do nordeste africano com a "maior preocupação", depois de terem surgido relatos de que as forças militares sudanesas tinham detido vários altos funcionários do Governo, incluindo o primeiro-ministro interino.

A UE apela a todos os intervenientes e parceiros regionais para que "retomem o processo de transição", escreveu Borrell, referindo-se à frágil transição do Sudão da autocracia para a democracia após a destituição do ditador Omar al-Bashir em 2019.

Anteriormente, o Enviado Especial dos EUA para o Corno de África Jeffrey Feltman disse que Washington estava "profundamente alarmado" e indicou que um golpe militar iria ameaçar a ajuda americana ao país.

Como temos dito repetidamente, "quaisquer alterações ao Governo de transição pela força colocam em risco a assistência dos EUA", escreveu no Twitter o Bureau of African Affairs dos EUA.

A Liga Árabe expressou concertação sobre as notícias de um golpe militar no Sudão e apelou a todas as partes para aderirem a um acordo para uma transição para a democracia.

Missão das Nações Unidas no Sudão emitiu uma declaração enfática repreensão do que chamou um golpe em curso e de tentativas de minar a frágil transição democrática da nação do nordeste africano.

Aufstand im Sudan

Protestos contra o golpe militar no Sudão

Entenda a crise

O Governo de transição sudanês tinha dito que foi alvo de uma tentativa de golpe de Estado a 21 de setembro. Desde então, a situação política no Sudão tem piorado.

Há semanas que se realizam protestos, com manifestantes a exigir a retirada dos militares do governo e reformas democráticas.

O Sudão foi governado por Omar al-Bashir durante quase 30 anos. O homem forte de longa data foi forçado a abandonar o poder em abril de 2019 após meses de protestos em massa e um golpe militar.

Os militares e a oposição civil acordaram então num governo de transição conjunto para preparar o caminho para as eleições.

Assistir ao vídeo 02:24

O regresso ao Sudão de Sahar Arrayeh

Leia mais