Gana: Documentário sobre corrupção no futebol já trouxe consequências | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 07.06.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Gana: Documentário sobre corrupção no futebol já trouxe consequências

Presidente da Associação Futebol do Gana, Kwesi Nyantakyi, um dos implicados, ja se demitiu dos cargos internacionais. Árbitro do Quénia já não vai ao Mundial na Rússia.

Kwesi Nyantakyi, Presidente da Associação de Futebol do Gana

Kwesi Nyantakyi, Presidente da Associação de Futebol do Gana

O documentário chama-se “Número 12”, dura cerca de uma hora e meia e trouxe à luz casos de corrupção ao mais alto nível no futebol, no Gana. Kwesi Nyantakyi é o principal implicado nesta investigação, afinal, trata-se nada menos do que do presidente da Associação de Futebol do Gana.

Nas imagens, Nyantakyi é apanhado a gabar-se da capacidade de subornar o presidente e o vice-presidente do seu país. E é visto a a aceitar um suborno de cerca de 55 mil euros. Mas há mais personalidades implicadas, incluindo dezenas de árbitros e outros oficiais ligados ao mundo desportivo africano.

Segundo o autor, o jornalista Anas Aremeyaw Anas, a história só está a começar.

Fußball WM-Kitsch Spardose

Futebol no Gana abalado por escândalo de corrupção

 “O que vimos no Gana é apenas a ponta do iceberg. A história está a começar a desenrolar e nas próximas duas, três semanas, tenho a certeza que vamos começar a ler sobre o impacto”, afirmou.

De facto, as consequências já se fizeram sentir, especialmente para o principal implicado, Kwesi Nyantakyi. A Federação de Futebol do Gana está a ser investigada e já há um pedido oficial do supremo Tribunal do país para que seja suspensa. Nyantakyi, que também era membro do Conselho da FIFA e vice-presidente da Confederação Africana de Futebol, já se demitiu de ambos os cargos e pediu desculpa ao presidente do Gana, Nana Akufo-Addo.

Mas há mais: o árbitro queniano, Range Marwa, que seria um dos árbitros assistentes no Mundial de 2018, na Rússia, já não vai marcar presença na competição.

Objetivo: denunciar a corrupção

Na véspera do lançamento, o autor já tinha levantado o véu do que seria abordado no filme: corrupção no mundo futebolístico no Gana.

Ouvir o áudio 03:02

Gana: Documentário sobre corrupção no futebol já trouxe consequências

A ante-estreia do documentário aconteceu no Centro internacional de conferências em Acra, onde estavam presentes vários diplomatas e responsáveis políticos e muitos outros cidadãos quiseram também assistir.

Um dos assistentes do jornalista, presente durante a exibição do vídeo, disse que Anas está calmo e detalha o que levou o jornalista a avançar com este projeto, que demorou dois anos a fazer.

“Ele não está preocupado. Está bem, está focado e quer alcançar um objetivo particular: desenterrar casos de corrupção. É isso, mais nada. Toda a gente está sempre a  falar de corrupção e ganância dentro dos círculos futebolísticos. Estava a manchar a imagem do futebol no Gana. Mas quando fomos analisar e verificar os factos, vimos que valia a pena investigar”, explicou o assistente à DW.

Anas é tido como controverso. Para começar, a sua identidade permanece desconhecida. Outra questão é o método. O recurso a câmara oculta e pessoas que se fazem passar por outras, são, por vezes entendidos, como uma armadilha.

Ghana Anas Aremeyaw Anas Undercover-Journalist

O jornalista Anas Aremeyaw Anas

“Podia morrer hoje, mas, ao menos, olharia para trás com muito orgulho. Não espero que toda gente goste de mim, espero que as pessoas tenham a liberdade de expressarem os seus sentimentos. Também sei que há pessoas que vão ao extremo de me quererem morto, mas se há coisa que me mantém vivo, é o impacto do meu trabalho”, disse o jornalista. 

Consequências

E como fica o futebol do Gana depois destas revelações chocantes? O jornalista de desporto e analista, Henry Asante diz que têm de ser feita a “limpeza” necessária.

“Vai ser preciso uma reviravolta. Não sei se haverá essa coragem. Algumas pessoas são inocentes, mas são poucas. Temos de limpar o sistema, tem de haver uma limpeza total na hierarquia do futebol no Gana. Precisamos de pessoas de confiança na liderança”, afirmou.

.

Assistir ao vídeo 02:40

Salifu Muhammed - O jovem inventor que quer limpar o Gana

Leia mais