G20: Proteção climática fica aquém das expectativas | NOTÍCIAS | DW | 31.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

G20: Proteção climática fica aquém das expectativas

De acordo com o anfitrião do encontro da cúpula do G20, um "sinal forte" deveria efectivamente sair da cimeira do G20 em Roma para a Conferência do Clima das Nações Unidas - COP26. Mas aparentemente nada resultará.

Luftverschmutzung in China

Emissões de gases pela indústria na província chinesa de Shandong.

O grupo G20, que une as maiores potências económicas do mundo, é responsável por 80% das emissões nocivas para o clima. A sua responsabilidade pelo curso das alterações climáticas é correspondentemente grande.

No entanto, no final da sua cimeira em Roma, o G20 não conseguiu aparentemente chegar a acordo sobre a declaração para a protecção climática.

De acordo com o texto negociado para o comunicado, ainda não há uma data alvo clara para a importante neutralidade do dióxido de carbono e para a eliminação gradual da produção de energia a carvão.

Cimeira Mundial do Clima (COP26)

Em vez da cimeira do G20 em Roma enviar o esperado "sinal forte" para a Cimeira Mundial do Clima (COP26), que iniciou-se hoje (31.10), em Glasgow, houve desacordo até ao fim.

Enquanto inicialmente o ano 2050 deveria ser fixado como o objectivo concreto para "emissões zero de gases com efeito de estufa ou neutralidade de dióxido de carbono", o objectivo agora só é geralmente referido como "até ou por volta de meados do século".

Italien Rom | G20 Gipfel | Münzwurf am Trevi Brunnen

Líderes do G20 reunidos em Roma, na Itália, neste fim-de-semana.

"Alvo para neutralidade é vago"

A União Europeia (UE) já tinha estabelecido uma meta para o ano 2050 de neutralidade de CO2. A Alemanha quer atingir este objectivo até 2045.

Mas o enfraquecimento do comunicado dá-se aparentemente pelas consideraçções da China e Rússia, que apenas pretendem atingir este alvo até 2060.

A Índia não quer comprometer-se. Também já não havia acordo sobre a "acção imediata", como um projecto inicial tinha dito. Agora há menos urgência sobre "acção significativa e eficaz".

Apenas em termos gerais, o G20 reafirma que continua empenhado nos objectivos do Acordo de Paris de manter o aquecimento global "bem abaixo dos dois graus e de prosseguir os esforços para o limitar a 1,5 graus".

Os peritos, contudo, acreditam que isto exigirá uma melhoria significativa dos planos de acção de cada país.

Eliminação progressiva do carvão "o mais depressa possível"

A promessa de eliminação gradual dos investimentos em centrais eléctricas alimentadas a carvão também permaneceu pouco concreta.

Se isto era originalmente suposto acontecer "na década de 2030", faltava o ano do comunicado final. Está agora previsto "o mais cedo possível".

Isto poderia ter sido feito novamente em consideração a China ou a Índia, que dependem fortemente do carvão para a sua produção de energia e têm dificuldade em satisfazer a procura.

O G20, contudo, comprometeu-se em até o final deste ano a não apoiar a construção de centrais eléctricas alimentadas a carvão no estrangeiro com fundos públicos", uma decisão que foi saudada pela chanceler alemã, que em breve deixará o seu cargo, Angela Merkel.

Deutschland Kohlekraftwerk Mehrum

Uma central eléctrica alimentada a carvão na cidade de Hannover, na Alemanha.

Relatórios alarmantes

Mesmo uma referência aos "relatórios alarmantes" do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, que tinha alertado para os perigos do aquecimento global, foi atenuada no texto final, como "relatórios recentes".

Falta também uma formulação inicial que vise um "fornecimento de electricidade em grande parte sem dióxido de carbono" na década de 2030. Em vez disso, o desejo de expandir a energia limpa é expresso em termos gerais.

O anfitrião da cimeira do G20, o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, fez um forte apelo aos líderes no início das deliberações na manhã de domingo (31.10).

Segundo ele, "as decisões tomadas hoje (31.10) teriam um impacto directo no sucesso da cimeira de Glasgow (COP26) - e na nossa capacidade de enfrentar a crise climática".

Aparentemente, o apelo de Draghi não foi ouvido.

Assistir ao vídeo 02:59

Ação judicial climática: Jovens portugueses processam a Europa