Fuga de capitais de Angola pode ser 157 vezes maior que a declarada pelo governo | Angola | DW | 07.11.2014

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Fuga de capitais de Angola pode ser 157 vezes maior que a declarada pelo governo

Contenção da saída ilícita de recursos do país permitiria uma redução direta anual de 2,11% na taxa de pobreza. Recursos, que têm a corrupção entre as origens, fomentam economias de países desenvolvidos.

A fuga ilícita de capitais de Angola pode ter chegado a 2,2 mil milhões de euros por ano entre 2008 e 2011. O valor é 157 vezes maior que os 14 milhões de euros estimados no ano passado pelo Ministério angolano das Finanças e representa aproximadamente sete por cento do Produto Interno Bruto do país.

Os números constam de um estudo baseado em dados internacionais e apresentado pelo diretor do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola, Alves da Rocha.

À DW-África, o professor disse que é difícil precisar as origens do dinheiro, mas que entre as possibilidades comuns ao continente africano estão "sobrefaturação das importações, subfaturação das exportações, corrupção, má governação, instituições públicas fracas e a organização do sistema bancário".

O destino são países desenvolvidos, principalmente os europeus e os Estados Unidos. Caso a saída do dinheiro fosse contida, haveria uma redução na pobreza em Angola:

Slum Angola

Indiretamente, redução da pobreza poderia chegar a 4% caso os recursos fossem investidos em África

"É um investimento que não se faz porque o capital foge de Angola. Havendo o incremento do investimento, haveria seguramente o incremento do PIB e do PIB por habitante, e por uma série de encadeamentos nós poderíamos ter resultados positivos na redução da pobreza", explica Alves da Rocha.

Corrupção

No exterior, os valores formam fortunas, que passam a pertencer a oligarquias em detrimento da população. Representante da Transparência Internacional em Portugal, Paulo Morais salienta que a fuga dos recursos está diretamente ligada à corrupção:

"O poder angolano é autocrático, é o poder de uma elite que vive à volta do presidente, e a quem o presidente vai distribuindo benesses à custa quer dos recursos do orçamento do Estado, quer dos próprios recursos naturais de Angola. Parte desses capitais são transferidos para o estrangeiro para acumular riquezas obscenas, ao mesmo tempo que, em Angola, as crianças morrem na rua e temos o segundo nível de mortalidade infantil do mundo. Há uma discrepância inadmissível", avalia.

Perdas milionárias em toda a África

Ouvir o áudio 02:41

Fuga de capitais de Angola pode ser 157 vezes maior que a declarada pelo governo

O problema não é exclusivo de Angola. Segundo o estudo não oficial, a África perdeu para o exterior cerca de 680 mil milhões de euros entre 1970 e 2008. As informações foram analisadas por nove académicos e estão publicadas no livro "Fuga de Capitais e a política de desenvolvimento a favor dos mais pobres em Angola".

Leia mais