França, Itália e Alemanha pedem fim de ″interferência estrangeira″ na Líbia | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 26.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

França, Itália e Alemanha pedem fim de "interferência estrangeira" na Líbia

A França, Itália e Alemanha pediram esta quinta-feira (25.06) o fim de "toda a interferência" estrangeira na Líbia e incentivaram todas as forças do país a "terminarem imediatamente e incondicionalmente os combates".

"Perante o crescente risco de deterioração da situação na Líbia e da escalada na região, a França, Alemanha e Itália encorajam todas as partes a encerrarem imediatamente e incondicionalmente os combates e a suspender o contínuo fortalecimento dos militares em todo o país", destacaram.

Segundo a agência AFP, os três países europeus pediram ainda que os diversos agentes estrangeiros ponham fim a toda a interferência e respeitem totalmente o embargo às armas estabelecido pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A Líbia vive atormentada pelas lutas violentas pelo poder desde a queda do regime de Muammar Kadafi em 2011.

Disputa pelo poder

Desde 2015 que duas autoridades rivais disputam o poder, o Governo da União Nacional (GNA), de Fayez al-Sarraj, estabelecido num acordo apoiado pela ONU, e que tem sede em Tripoli, no oeste da Líbia, e um movimento liderado pelo marechal Khalifa Haftar, no leste.

A Rússia, a par do Egito e Emirados Árabes Unidos, apoia as forças do marechal Haftar, contra as forças do governo de unidade nacional, que é apoiado militarmente pela Turquia.

A França, embora o negue publicamente, é acusada pela Turquia e vários analistas de apoiar o marechal Haftar. 

O Presidente francês, Emmanuel Macron, denunciou na segunda-feira o "jogo perigoso" da Turquia na Líbia, alertando para uma nova demonstração da "morte cerebral" da NATO.

Na quarta-feira (24.06), o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Luigi di Maio, em visita a Tripoli, juntamente com o chefe do GNA, pediram o fim das intervenções estrangeiras naquele país.

 

Leia mais