França deverá anunciar redução de presença militar no Sahel em fevereiro | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

França deverá anunciar redução de presença militar no Sahel em fevereiro

A França vai "muito provavelmente" reduzir os efetivos da sua força anti-jihadista Barkhane na região do Sahel, uma vez que já conseguiu "sucessos militares significativos" em 2020, afirmou a ministra das Forças Armadas.

"Teremos, muito provavelmente, de ajustar este dispositivo: um reforço por definição, é temporário", disse Florence Parly, numa entrevista ao jornal Le Parisien que será publicada esta segunda-feira (04.01).

A França reforçou, no ano passado, a força Barkhane com 600 soldados, passando o dispositivo para 5.100 homens.

A decisão será tomada na próxima cimeira conjunta da França e dos países do G5 do Sahel, agendada para fevereiro em N'djamena, acrescentou Florence Parly.

Em 2020, a força Barkhane registou "sucessos militares significativos, 'neutralizando' vários altos responsáveis de grupos terroristas e atacando as suas cadeias de abastecimento", sublinhou a ministra das Forças Armadas.

Frankreich Florence Parly Verteidigungsministerin

Florence Parly: "As condições de segurança no Sahel continuam difíceis"

Entre os responsáveis terroristas abatidos pela força Barkhane conta-se o líder da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico, o argelino Abdelmalek Droukdal, morto no norte do Mali em junho, e o "líder militar" do Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos (GSIM), afiliado à Al-Qaeda, Bah Ag Moussa, em novembro passado.

No Mali, três soldados franceses foram mortos na passada segunda-feira durante um ataque com um explosivo artesanal, reivindicado pelo GSIM, e dois outros no sábado, em circunstâncias semelhantes.

"Terroristas usam a arma dos cobardes"

"Sim, as condições de segurança no Sahel continuam difíceis. Os terroristas usam a arma dos cobardes", acusou Florence Parly, afirmando que esses artefactos artesanais são acionados "sem critério" à passagem de veículos civis ou militares.

O Sahel é uma faixa de território entre o deserto do Saara e o Sudão, que inclui diversos Estados e onde se regista o maior aumento do terrorismo 'jihadista', apesar da presença militar francesa e da ajuda financeira da União Europeia.

"Se os 'jihadistas' adotam estes métodos perniciosos de guerrilha, é porque se recusam a lutar, cientes de que não teriam qualquer hipótese se tivessem que enfrentar os soldados de Barkhane num combate regular", considerou a ministra.

A responsável francesa voltou a descartar qualquer negociação "com grupos terroristas como a Al-Qaeda ou o Daesh [nome dado em inglês ao grupo que se autoproclama Estado Islâmico], que assassinam indiscriminadamente e têm sangue nas mãos".

Mas a porta está aberta para "aqueles que depuserem as armas e que forem movidos por uma ideologia radical e criminosa", concluiu.

Leia mais