Fome ameaça populações do Sudão do Sul | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 22.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Fome ameaça populações do Sudão do Sul

Dezenas de milhares de pessoas estão a passar fome. Presidente sul-sudanês promete "acesso ilimitado" a organizações humanitárias, depois das Nações Unidas se queixarem que a ajuda não estava a chegar a todos os sítios.

Três anos de guerra civil no Sudão do Sul, uma seca severa e a profunda crise económica que devastou o país levaram a que fosse declarada uma situação de fome em dois condados do estado de Unidade, no norte.

Mais de 100 mil pessoas estão a passar fome na região e teme-se que o problema se alastre. Segundo um relatório das Nações Unidas, mais um milhão de pessoas está em risco.

Dirigentes da ONU denunciaram que o Presidente Salva Kiir continuava a bloquear o acesso de ajuda alimentar a algumas áreas. Mas, esta terça-feira (21.02.), Kiir garantiu que as organizações humanitárias terão "acesso ilimitado" às populações necessitadas em todo o país.

"Estamos cientes do fracasso das colheitas no ano passado e estamos a tomar medidas para evitar uma potencial fome", afirmou o chefe de Estado sul-sudanês, que prometeu ainda a oferta de alimentos básicos e a atribuição de subsídios.

Südsudan WFP Hilfe in Rubkuai

Nações Unidas pediram acesso a todas as regiões necessitadas para levar comida às populações

Próximos tempos são "decisivos"

Os dados do Governo e das agências das Nações Unidas apontam para o agravamento da situação nos próximos meses: 4,9 milhões de pessoas, cerca de 42% da população do país, poderão ficar em situação de insegurança alimentar entre fevereiro e abril.

Isaiah Chol Aruai, diretor do Instituto Nacional de Estatística do Sudão do Sul, teme que o número de pessoas afetadas chegue aos 5,5 milhões em julho.

Ouvir o áudio 03:16
Ao vivo agora
03:16 min

Fome ameaça populações do Sudão do Sul

"Os dados mostram que, a longo prazo, os efeitos do conflito, combinados com o preço elevado dos alimentos, a crise económica e a falta de meios de subsistência estão a contribuir para o agravamento da insegurança alimentar", explica Aruai.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), mais de 250 mil crianças sofrem de malnutrição severa no país e poderão morrer, caso não chegue a tempo a ajuda alimentar.

"Os próximos dias, semanas, meses são decisivos", alerta Marixie Mercado, porta-voz do fundo. "A UNICEF está a tentar a todo o custo salvar estas crianças. A questão é: Se não tratarmos uma criança severamente malnutrida, é muito provável que ela morra. Mas, se conseguirmos chegar às crianças com apoio terapêutico, elas podem recuperar quase na totalidade."

Para quando o fim da guerra?

O Sudão do Sul tornou-se independente do Sudão em julho de 2011. Dois anos depois, começou um conflito entre Salva Kiir e o seu vice-presidente, Riek Machar, que perdura, apesar da assinatura de um acordo de paz em agosto de 2015.

Südsudan Juba Ausschreitungen Präsident Salva Kiir

Presidente sul-sudanês, Salva Kiir

Kiir renovou na terça-feira o apelo à participação no diálogo nacional - segundo o chefe de Estado, essa é uma prioridade do Governo. Kiir referiu que a iniciativa "não é um truque ou uma tática dilatória" para consolidar o poder, ao contrário do que afirmam os críticos.

Os trabalhos da comissão para o diálogo nacional deverão arrancar em março.

Num discurso a propósito do início do ano parlamentar, Kiir assegurou também que tem um "novo plano económico" para melhorar a situação do país, que prevê a reabertura dos poços de petróleo do estado de Unidade.

O Presidente disse ainda que o Executivo sul-sudanês quer melhorar as relações com a comunidade internacional, após três anos de tensão.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados