FMI pronuncia-se sobre a situação económica de Moçambique | Moçambique | DW | 20.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

FMI pronuncia-se sobre a situação económica de Moçambique

O Fundo Monetário Internacional apresenta esta terça-feira (20.11), em Maputo, mais detalhes sobre as perspetivas económicas para a África subsaariana. Também vai comentar a situação específica de Moçambique.

A delegação de Moçambique do Fundo Monetário Internacional (FMI) vai apresentar esta terça-feira (20.11), em Maputo, o mais recente relatório sobre as perspetivas económicas para a África subsaariana, numa sessão em que vai também comentar a situação específica do país lusófono.

O relatório foi apresentado há um mês, em Nusa Dua, durante os Encontros Anuais do FMI e do Banco Mundial, na Indonésia, esperando-se hoje mais detalhes sobre a apreciação do fundo em relação a Moçambique, durante uma apresentação a realizar pelo representante no país, Ari Aisen.

O FMI tem, desde a última semana, um conjunto de técnicos em Maputo para analisar o quadro macroeconómico do país e que vão atualizar também a Análise da Sustentabilidade da Dívida, cujos critérios impedem a ajuda financeira a Moçambique.

"Está agora em Maputo uma missão a atualizar o enquadramento económico do país, num trabalho que inclui a atualização da análise da sustentabilidade da dívida segundo as regras do FMI e do Banco Mundial", disse o diretor do departamento de comunicação do fundo, Gerry Rice.

Acordo com credores da dívida

Em resposta a questões colocadas na última semana pela agência de notícias Lusa, Gerry Rice acrescentou que já vão ser tidos em conta os novos indicadores financeiros resultantes do acordo preliminar alcançado com os detentores de títulos de dívida pública.

Questionado sobre se esse acordo melhora suficientemente os indicadores para permitir um empréstimo do FMI, Gerry Rice respondeu: "Estamos cientes do acordo alcançado com os credores, isso é parte da missão, e vamos estudar as implicações do acordo para a análise da sustentabilidade da dívida no contexto da próxima análise".

Leia mais