FMI em Angola para analisar dívida pública | Angola | DW | 02.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

FMI em Angola para analisar dívida pública

Uma delegação do Fundo Monetário Internacional mantém, a partir de quinta-feira, contactos com o Governo de Luanda. Além da dívida, os atrasos nos pagamentos do Estado e a situação da banca nacional são temas em agenda.

A delegação do FMI, chefiada pelo economista brasileiro Ricardo Velloso, vai manter, até 17 de novembro, reuniões com elementos do Governo e da administração de várias empresas públicas, ao abrigo dos contactos bilaterais anuais, de acordo com informação avançada à agência Lusa pelo Ministério das Finanças de Angola.

A missão surge quatro meses após o Governo angolano ter recusado um programa de assistência que antes pediu à instituição, aquando do agravamento da quebra da cotação do petróleo, no primeiro semestre do ano.

Na agenda está a discussão com as autoridades angolanas da evolução do quadro fiscal e da dívida pública, bem como "os últimos desenvolvimentos do setor bancário" e os pressupostos para Orçamento Geral de Estado (OGE) para o ano fiscal de 2017.

Angola Luanda Kwanza

Crise afeta o bolso de muitos angolanos

Segundo o Ministério das Finanças, nestas reuniões com a missão do FMI serão também analisadas as projeções dos indicadores económicos para 2017, bem como estimativas para o crescimento do setor petrolífero e não petrolífero.

O Governo angolano prevê que a economia cresça 2,1% em 2017, ano em que espera produzir mais de 1,8 milhões de barris de petróleo por dia, a um preço estimado de 46 dólares por barril.

A missão do FMI vai ainda discutir com a equipa económica governamental "aspetos ligados" às operações do Governo no mercado de títulos e cambial, a gestão das reservas internacionais líquidas e a gestão da tesouraria, entre outros assuntos.

Profunda crise

Angola, o maior produtor de petróleo em África, vive desde o final de 2014 uma profunda crise financeira, económica e cambial decorrente da quebra para metade nas receitas com a exportação de crude.

A situação levou à revisão em baixa, para 1,1%, das previsões do Governo para o crescimento económico do país em 2016, o registo mais baixo em vários anos.

O investimento público e pagamentos do Estado também se ressentiram destas dificuldades financeiras, ao mesmo tempo que a dívida pública a um ano já paga juros acima dos 20%. 

A banca enfrenta igualmente dificuldades, nomeadamente instituições financeiras detidas pelo Estado, como o Banco de Poupança e Crédito.

 

Leia mais