Fim de semana de protestos contra assassinato de Bruno Candé | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 31.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Fim de semana de protestos contra assassinato de Bruno Candé

Manifestantes protestam contra o racismo em Portugal depois da morte de Bruno Candé, assassinado a tiro no sábado passado. O caso está a gerar um grande debate em torno do problema no país.

"Racismo é crime", era o que dizia um dos muitos cartazes empunhados pelos manifestantes que foram esta sexta-feira à noite (31.07) até ao largo de São Domingos, perto do Rossio, em Lisboa, protestar contra o assassinato de Bruno Candé.

Noutro cartaz, podia ler-se: "Todos somos Candé".

Os manifestantes estão indignados com a morte do português de 39 anos, de origem guineense, assassinado a tiro no sábado passado (25.07), em Moscavide. Muitos deles afirmam que Portugal tem um problema de racismo estrutural, que tem de ser resolvido urgentemente.

"Não é admissível dizermos que Portugal não é racista quando uma pessoa é assassinada em plena via pública com quatro tiros", afirma à DW Raquel Lima, do Núcleo Antirracista de Coimbra.

"É preciso que este tema do racismo seja olhado com muita seriedade, que se pense em políticas públicas e na criminalização do racismo de forma efetiva. Estamos a reivindicar uma mudança de paradigma nesta sociedade, que deixe de ser negacionista. Estamos a contestar a cumplicidade do Governo, que neste momento está invisível, ausente e a gerar uma impunidade sobre casos de racismo institucional e estrutural", acrescenta.

Há protestos contra o assassinato do português marcados para esta sexta-feira e sábado em várias cidades, incluindo Lisboa, Coimbra, Porto e Braga.

"Queremos justiça"

O suspeito do crime, um homem de 76 anos, está em prisão preventiva por homicídio qualificado e posse de arma ilegal. Segundo a família e as testemunhas, o suspeito terá lançado insultos racistas contra Candé, afirmando que tinha "armas do Ultramar" e ameaçando-o de morte.

"Sim, o senhor disse palavras duras ao meu irmão antes de o assassinar. Pelo que eu soube, o meu irmão não reagiu aos dois dias de problemas que tiveram. E [o homem] disse que o ia matar e matou. É mesmo uma atitude de racismo", afirma Olga Araújo, irmã mais velha de Bruno Candé.

"Queremos justiça, e as pessoas juntaram-se a ver se o Governo começa a reconhecer que alguma coisa está mal."

A família do jovem português criticou inicialmente o silêncio do Executivo português, liderado por António Costa. Mas o Governo fez-se representar no funeral de Bruno Candé, na quinta-feira, garantindo na altura que seria feita justiça.

Associações e elementos da sociedade civil têm manifestado disponibilidade para ajudar a família de Bruno Candé, que deixou três filhos menores.

Assistir ao vídeo 04:49

Novo filme de Welket Bungué retoma debate sobre violência racista em Portugal

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados