Filipe Nyusi ″suaviza″ estado de emergência para o final de um ano ″atípico″ | Moçambique | DW | 17.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Filipe Nyusi "suaviza" estado de emergência para o final de um ano "atípico"

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou as novas medidas do estado de emergência pública devido à Covid-19, que entram em vigor a partir do próximo sábado. Está prevista uma reabertura moderada da vida social.

Na sua comunicação à nação, por ocasião do fim do ano, Filipe Nyusi fez a atualização das medidas no âmbito do estado de emergência pública, que entrarão em vigor a partir deste sábado (19.12). Turismo, comércio, ensino escolar e a vida social são setores que sofreram uma "suavização" para o final deste ano de 2020.

"Para todos os passageiros que estejam a chegar ao país, o prazo para a apresentação do comprovativo de resultado negativo no teste à Covid-19, que tenha sido realizado no país de origem passa de 72 horas para 96", revelou.

Regresso da ativididade turística

O chefe do Estado moçambicano acrescentou ainda que "será retomada a emissão de vistos de fronteira para fins turísticos", sendo permitido que a tripulação e os passageiros dos navios cruzeiros de turismo possam abandonar a zona portuária, devendo observar "todas as medidas de protocolo sanitário para a Covid-19."

Kreuzfahrtschiff Quantum Of The Seas

Vistos turísticos para tripulação e passageiros de cruzeiros.

Nyusi informou que para facilitar a movimentação dos passageiros nos postos de travessia de Ressano Garcia e Namaacha na província de Maputo, as autoridades vão coordenar com o governo sul-africano a reabertura do posto de travessia da Ponta de Ouro.

Mercados "ganham" uma hora de comércio

Nos eventos privados, o limite máximo de participantes passará de 40 para 50 pessoas, se forem realizados em espaços fechados ou semi-abertos. Este número poderá ser alargado até 150 pessoas, se forem realizados ao ar livre e desde que estejam garantidos o distanciamento social e observância das medidas de prevenção à Covid-19. O horário de encerramento dos mercados adia uma hora, das 17 para as 18 horas.

Mosambik Alltag in Mafalala

Mercados podem fechar uma hora mais tarde (das 17 para as 18 horas)

No âmbito do ensino de forma condicionado, o Presidente, Filipe Nyusi, autorizou o regresso das aulas no ensino pré-escolar e no ensino primário e secundário no curriculum estrangeiro. A aplicação desta medida vai depender da evolução da situação epidiomiológica do país e das recomendaçoes do setor que superintende as áreas da saúde e pré-escolar.

Reabertura moderada da vida social

O chefe de Estado anunciou também outras medidas de relaxamento, nomeadamente, dos setores da área social e comercial. "É autorizada a prática do desporto em espaços abertos. Está também autorizada a reabertura de bares, barracas e quiosques no período que vai das 09 às 16 horas, de domingo a sexta-feira, sendo que às sextas-feiras e sábados, a abertura destes locais vai das 09 às 19 horas."

Mozambik Vilankulo Empty restaurant (Hotel Pescador)

Bares podem abrir das 09 às 19 horas, às sextas-feiras e sábados

As medidas anunciadas esta quinta-feira (17.12) poderão ser alteradas em função da evolução da pandemia, possibilitando sempre o confinamento ou desconfiamento de uma determinada região.

Numa comunicação à nação por ocasião do fim do ano, Filipe Nyusi descreveu 2020 como um ano "verdadeiramente atípico”, como consequência dos ciclones que se abateram sobre o país, o impacto sanitário e económico da Covid-19, e a ação da violência armada no centro e norte do país.

Nos prós e contras, o chefe político realçou que o país deu seguimento ao processo de desarmamento, desmobilização e reintegração dos homens armados da RENAMO, o maior partido da oposição, e o início de um novo paradigma de governação descentralizada.

2021 traz esperança de recuperação económica

O Presidente disse ainda, que Moçambique espera entrar em 2021 com janelas de oportunidades que devem ser capitalizadas para dinamizar o setor produtivo e estimular a economia, nomeadamente, a recuperação da economia mundial. Internamente, tem esperanças numa gradual recuperação da atividade turística, para além do aumento da produção agrícola.

"Esperamos atingir em 2021, um crescimento económico de 2.1% e manter a inflação média anual num único dígito, em cerca de 5%", finalizou.

Assistir ao vídeo 01:21

África vista de cima: Maputo durante o confinamento da Covid-19

Leia mais