″Fez-se justiça″: RENAMO aplaude condenação por enchimento de urnas | Moçambique | DW | 24.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

"Fez-se justiça": RENAMO aplaude condenação por enchimento de urnas

Tribunal de Nampula condenou duas pessoas a 9 meses de prisão por terem tentado introduzir boletins falsos nas urnas durante as eleições gerais de 15 de outubro. RENAMO congratula-se com decisão da Justiça.

Ossufo Ulane, mandatário da RENAMO em Nampula

Ossufo Ulane, mandatário da RENAMO em Nampula

A Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) considera que foi feita justiça, depois de dois cidadãos serem condenados à prisão, por encherem urnas com boletins pré-votados, nas eleições da semana passada, na cidade de Nampula. Foi o primeiro ilícito eleitoral a ser julgado em Moçambique.

O maior partido da oposição em Moçambique diz que a sentença é a "prova inequívoca" de que houve mesmo enchimento de urnas.

Ouvir o áudio 02:01

RENAMO aplaude condenação por enchimento de urnas

O Tribunal Judicial de Nampula, a maior cidade do norte de Moçambique, condenou, na quarta-feira (23.10), dois cidadãos por introduzirem boletins falsos em urnas de uma mesa de voto da Escola Primária Completa 7 de Abril, na cidade de Nampula.

O tribunal condenou os réus a uma pena de nove meses de prisão e uma multa equivalente a quatro meses de salários mínimos.

"Prova inequívoca"

O caso tinha sido denunciado pela RENAMO. Ossufo Ulane, mandatário do partido na cidade de Nampula, está contente com o desfecho do julgamento, por considerar que foi feita justiça.

"Parcialmente, a justiça a foi feita, só pelo facto de o tribunal reconhecer que houve ilícito eleitoral e ter condenado os arguidos. Eu acredito que esta é a prova inequívoca de que o partido RENAMO mostra que houve enchimento nas urnas", afirmou.

Mosambik Prozess wegen Wahlbetrugs | Richter

Juiz da causa, Muhamed Kalide, durante a leitura da sentença

Tribunal pode "ter medo de represálias"

Ainda assim, Ossufo Ulane considera que o tribunal poderia ter ido mais longe: "Faltou ainda o juiz pedir a presença da polícia, que neutralizou os boletins. [...] Mas acredito que o tribunal não quis um trabalho rigoroso, porque o tribunal pode estar a ter medo de represálias. Mas, para o partido RENAMO, e eu como mandatário, fiquei feliz por saber que a justiça foi feita."

O advogado dos réus recusou prestar declarações à imprensa. Adiantou apenas que pensa recorrer da decisão do tribunal dentro de oito dias, como está previsto na lei.

Os réus não estiveram presentes no julgamento, sendo representados pelo advogado. Ambos estão em liberdade, por terem pago caução, enquanto se aguarda pelo resultado do recurso que a defesa tenciona remeter.

A RENAMO pediu a anulação das eleições da semana passada em Nampula, onde a FRELIMO saiu vitoriosa, por considerar que houve "várias irregularidades".

Assistir ao vídeo 02:38

Eleições em Moçambique: AMUSI fala de "fraude eleitoral" em Nampula

Leia mais