Faltam escolas na província angolana do Kwanza Norte | Angola | DW | 23.05.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Faltam escolas na província angolana do Kwanza Norte

Na província angolana do Kwanza Norte, os encarregados de educação queixam-se da falta de escolas e da qualidade das que existem. O fecho das escolas, devido à Covid-19, comprometeu ainda mais o ensino na região.

Afrika Angola nicht genügend Schulen (DW/A. Domingos)

Escola na aldeia de Kyangala

Na cidade de Ndalatando, nos bairros Kipata e Vieta, ainda há várias crianças a estudarem em escolas improvisadas - construídas de chapas de zinco, desde o teto às paredes. A situação deixa zangados os pais e encarregados de educação.

Em Ndalatando, capital da província do Kwanza, a DW África falou com o encarregado de educação João Lourenço que se diz preocupado com a suspensão das aulas no país.

"Passaram praticamente dois meses e sabemos que, quanto menos se lê, aquilo que tem vai diminuindo - sobretudo quando à capacidade de aprendizagem" argumenta.

As escolas em Angola foram encerradas no dia 24 de março em virtude da Covid-19. O prazo é prorrogável quinzenalmente, dependendo do desenvolvimento da pandemia. 

Afrika Angola nicht genügend Schulen (DW/A. Domingos)

Domingos Francisco João

Ano letivo comprometido

O secretário provincial do Sindicato Nacional de Professores naquela região nordeste de Angola, Domingos Francisco João, mostra-se preocupado com a situação atual que parece ainda longe de ser ultrapassada. 

"Estamos a notar que o aprendizado das crianças já está totalmente distorcido, porque estamos a caminhar para o mês de junho. Com os casos [de Covid-19] que agora começam a aparecer de forma comunitária, estamos em crer que ainda se vai renovar [o estado de emergência] por mais 15 dias. Então, o ano (letivo) parece que fica comprometido", considera

Domingos João receia que a situação de suspensão das aulas, aliada aos problemas estruturais do ensino, acabe por prejudicar o país a longo prazo.

"A criança sai da iniciação até ao ensino superior e nunca consegue fazer uma reação química, porque nunca teve acesso ou contato com um laboratório, com qualquer meio que lhe permita sair da teoria para a prática. Nós somos muito teóricos", revela.

Faltam professores

A província tem uma falta aguda de escolas e salas de aula. Neste ano letivo, foram construídas 26 novas escolas e admitidos em concurso público 489 novos professores, mas os investimentos não bastaram para colmatar as lacunas. Para assegurar o processo de ensino e aprendizagem, a província necessita de pelo menos 2.055 professores.

Os habitantes da comuna da Aldeia Nova, no município da Banga, estão revoltados com a falta de escolas em muitas aldeias. Um exemplo é a aldeia de Kyangala, com 222 habitantes, que dispõe de apenas uma escola com duas salas de aula onde aprendem 86 alunos do ensino primário em dois períodos.

A referida escola não tem portas, nem janelas, nem carteiras.

Assistir ao vídeo 02:00

Covid-19: Trabalhadoras domésticas de Angola sentem os efeitos da pandemia

Leia mais