Explosão: Cuando Cubango está de luto após morte de crianças | Angola | DW | 30.11.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Explosão: Cuando Cubango está de luto após morte de crianças

Engenho explosivo matou seis crianças da mesma família em Menongue, na província angolana do Cuando Cubango. Professor universitário apela a trabalho redobrado para evitar mais mortes.

Engenhos explosivos encontrados no Cuando Cubango, Angola

Após mortes, aumentam os apelos para a intensificação das campanhas de alerta: "Sempre que encontramos um objeto estranho, temos de ter cuidado"

As seis crianças, entre os 2 os 9 anos de idade, morreram na semana passada devido à detonação de um engenho explosivo no bairro Ndjonde, a cerca de 12 quilómetros da cidade Menongue. Uma outra criança fica ferida.

"Eram sete crianças. Quando os pais iam trabalhar para as lavras, elas ficaram no bairro, a brincar. Ficaram a bater num ferro, e esse ferro era a bomba. Então, rebenta e acabou por matar seis crianças e feriu uma outra", disse Lucas Tchinoia, tio das vítimas.

Numa nota de condolências, o Governo do Cuando Cubango mostra-se indignado e abalado com a morte das crianças.

Mina antipessoal

"Dissemos ao Senhor Presidente que não conseguimos viajar na província"

João Lourenço prometeu desminagem até 2025

O processo de desminagem no Cuando Cubango começou em 1996.

Segundo dados da brigada de desminagem das Forças Armadas Angolanas na província, de 2005 a junho de 2021, foram removidos do solo mais de três milhões de engenhos explosivos não detonados e libertados três mil quilómetros de estradas.

Este ano, durante a cerimónia de comemoração dos 46 anos de independência de Angola, o então governador do Cuando Cubango, Júlio Bessa, garantiu que o Presidente João Lourenço se tem empenhado pessoalmente no processo de desminagem.

"Dissemos ao Senhor Presidente que não conseguimos viajar na província e o Senhor Presidente prontificou-se a dar uma verba de 60 milhões de kwanzas [mais de 90 mil euros] através da organização HALO Trust, que está a fazer a desminagem das principais localidades do Cuando Cubango", anunciou.

O Presidente João Lourenço prometeu acabar com todas as minas terrestres no país até 2025.

Cartaz da organização The HALO Trust

ONG HALO Trust está a desminar o país

Todo o cuidado é pouco

A propósito do caso em Menongue, o professor universitário Alberto Kamuenho diz que é preciso apurar como é que o engenho explosivo foi parar às mãos das crianças e redobrar os esforços para evitar mais mortes.

"Ao nível dos sobas, lá nas comunidades, e ao nível das escolas e de todos os encontros públicos, é preciso que a sensibilização se faça sentir para que todos nós - não só as crianças - tenhamos a consciência de que, sempre que encontramos um objeto estranho, temos de ter cuidado. É necessário dirigirmo-nos às autoridades para que tomem conta daquilo que é encontrado", alerta Kamuenho.

A DW África contactou os departamentos de desminagem do Governo e a organização não-governamental HALO Trust para comentar o caso em Menongue, sem sucesso.

Recentemente, a HALO Trust assegurou que está comprometida com a meta de acabar com as minas terrestres em Angola até 2025.

Assistir ao vídeo 09:12

"Revú" por um dia em Luanda

Leia mais