Ex-Presidente da Gâmbia usou subornos para comprar mansão nos EUA | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 17.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Ex-Presidente da Gâmbia usou subornos para comprar mansão nos EUA

O ex-Presidente da Gâmbia Yahya Jammeh usou dinheiro de subornos e fundos do Estado para comprar uma mansão num subúrbio de Washington, segundo um processo judicial nos Estados Unidos que visa apreender a propriedade.

Na queixa, apresentada na quarta-feira (15.07), o ditador daquele país da África Ocidental é ainda acusado de ter conspirado para lavar cerca de 3,5 milhões de dólares (cerca de três milhões de euros) de "receitas de corrupção", através da compra da mansão em Potomac, Maryland.

Yahya Jammeh tinha 29 anos quando chegou ao poder na Gâmbia, na sequência de um golpe militar, em 1994, e governou o país durante mais de 22 anos. O antigo Presidente e a sua mulher, Zineb Jammeh, fugiram para o exílio na Guiné Equatorial depois de Yahya Jammeh ter perdido as eleições presidenciais de dezembro de 2016 para Adama Barrow.

Mas durante o seu longo mandato como Presidente adquiriu pelo menos 281 propriedades e operava mais de 100 contas bancárias privadas diretamente, ou através de empresas ou fundações, nas quais tinha ações ou interesses, de acordo com o processo civil do Departamento de Justiça norte-americano.

"Nem Jammeh nem a sua esposa, Zineb, parecem ter rendimentos familiares que expliquem como adquiriu estes bens", refere o processo.

Depósitos suspeitos

Os filhos do casal frequentaram escolas na zona de Washington depois de a família ter comprado a mansão em Potomac em nome de um fundo por 3,5 milhões de dólares, em 2010, de acordo com a queixa. 

Um empregado de uma empresa petrolífera teria feito um depósito de cerca de um milhão de dólares em dinheiro numa conta para esse fundo, menos de um mês antes da venda do imóvel, refere o processo.

Assistir ao vídeo 01:02

Novas notas da Gâmbia sem retrato de Jammeh

Esse funcionário, não identificado, abriu uma conta bancária em nome de um fundo um dia após a empresa petrolífera ter recebido uma "confirmação" dos seus direitos de monopólio de importação de combustíveis na Gâmbia, adianta a queixa.

"Esta ação demonstra que os Estados Unidos não permitirão que os criminosos lucrem com os seus crimes e procurarão justiça para as vítimas desses crimes, tanto aqui como no estrangeiro", disse o procurador Robert Hur, numa declaração.

Yahya Jammeh não foi acusado de quaisquer crimes nos EUA até agora, mas a queixa do Departamento de Justiça refere que uma comissão judicial criada pelo Governo da Gâmbia recomenda acusações criminais contra o antigo Presidente.

Acusado de desvios e subornos

A comissão alega que Jammeh desviou ou roubou o equivalente a mais de 300 milhões de dólares (262,7 milhões de euros) de contas públicas.  Além disso, Jammeh aceitou subornos e pagamentos em troca da concessão de direitos de monopólio a empresas sobre setores da economia da Gâmbia, refere a queixa.

Um relatório de março de 2019 de um grupo de investigação chamado Projeto de Relatório do Crime Organizado e da Corrupção referia que Jammeh e os seus aliados saquearam quase mil milhões de dólares de recursos de madeira e os fundos públicos da Gâmbia.

O Departamento do Tesouro dos EUA anunciou sanções contra Jammeh em 2017, afirmando que "tem uma longa história de envolvimento em graves violações dos direitos humanos e corrupção".

"Jammeh criou um esquadrão de terror e assassinato chamado Junglers que reportava diretamente a ele", diz um comunicado do Departamento do Tesouro, acrescentando que aquela força foi utilizada para "ameaçar, aterrorizar, interrogar, e matar indivíduos que Jammeh avaliou como sendo ameaças".