Ex-ministro moçambicano Aires Ali é citado no escândalo Pandora Papers | Moçambique | DW | 04.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ex-ministro moçambicano Aires Ali é citado no escândalo Pandora Papers

Megainvestigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos divulga nome de mais de 330 figuras públicas que teriam usado paraísos fiscais pelo mundo para ocultar ativos financeiros.

Aires Bonifacio Ali

O ex-ministro teve documentos vazados pelo investigação do consórcio de media

Segundo a denúncia do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, sigla em inglês) divulgada neste domingo (03.10), documentos comprovariam que - faltando menos de um mês para ser exonerado de suas funções como primeiro-ministro de Moçambique, em 2012 - Aires Ali teria usado uma consultoria tributária com sede na Suíça para abrir uma empresa de fachada chamada Seychelles.

Outra empresa alegadamente forneceu um acionista e diretores, escondendo assim o nome do ex-primeiro ministro. Ali teria autorizado, em 2013, a empresa a abrir uma conta bancária noutra companhia com sede em Lisboa. O político moçambicano ainda não comentou sobre a investigação.

Milhões de documentos vazados pelo ICIJ revelam segredos financeiros de 35 líderes mundiais antigos e atuais e mais de 330 políticos e autoridades de 91 países. Entre as figuras que aparecem no Pandora Papers, estão o Presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, o antigo Presidente da República do Congo, Denis Sassou Nguesso, e o ministro da Segurança do Uganda, Jim Muhwezi.

Pandora Papers

A investigação do consórcio de media vazou 11 milhões de documentos de 14 empresas de serviços financeiros em todo o mundo. A apuração mostrou que as figuras públicas usavam paraísos fiscais offshore para ocultar ativos no valor de centenas de milhões de euros.

Para Gerard Ryle, diretor do Consórcio de media, a importância da divulgação desses documentos é demonstrar "que as pessoas que podem acabar com o sigilo do offshore podem expor quem se está a beneficiar disso".Até agora nove países já anunciaram investigações sobre as atividades financeiras de cidadãos denunciados.

O ICIJ também foi responsável por divulgar o vazamento dos documentos do escândalo Luanda Leaks, que envolve a empresária angolana Isabel dos Santos.

Assistir ao vídeo 01:24

"Luanda Leaks": Entenda as denúncias contra a multimilionária Isabel dos Santos

Leia mais