″Exílio tem mais dignidade do que a rendição″, dispara Tchizé dos Santos | Angola | DW | 10.05.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"Exílio tem mais dignidade do que a rendição", dispara Tchizé dos Santos

Afirmação foi feita em nota, este domingo (10.05), pela ex-deputada do MPLA em resposta a declarações de Abel Chivukuvuku. Líder do PRA-JA defendeu o regresso da família dos Santos a Angola, no sábado (09.05).

"Prefiro o exílio do que ficar em Angola para ser enxovalhada com acusações falsas e possível prisão política, por quem não tem um passado nem dignidade para eu respeitar como meu chefe de Estado", afirmou Welwitschea dos Santos, referindo-se ao atual Presidente, João Lourenço.

A filha do antigo Presidente de Angola disse ainda que não vai baixar a cabeça "para ser humilhada e prestar uma hipócrita vassalagem" ao detrator principal da família dos Santos "em troca do silêncio pela manutenção de um cargo no parlamento a qualquer custo, ou integração social com a condição de bajular" quem a "enxovalha".

Tchizé dos Santos reagia às declarações do político angolano e líder do PRA-JA Servir Angola, Abel Chivukuvuku, que defendeu o regresso a Angola dos familiares do ex-Presidente José Eduardo dos Santos para se defenderem das acusações de que são alvo, em entrevista à agência Lusa, no sábado (09.05).

Abel Chivukuvuku (DW/S. Lutxeque)

Abel Chivukuvuku

Outro lado da moeda

"Eu ia querer ver se o dr. Abel Chivukuvuku ia ter essa opinião quando foi capturado ferido pelas tropas do Governo [MPLA] do então Presidente da República e comandante em chefe José Eduardo dos Santos, após os confrontos de 1992, se o PR fosse o General João Lourenço e não o dos Santos", afirmou Tchizé dos Santos em mensagem escrita enviada à Lusa.

Na altura, Angola vivia ainda em guerra civil e Abel Chivukuvuku, atual coordenador da comissão instaladora do projeto político PRA-JA, era dirigente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o principal partido da oposição angolana, tendo sido ferido em confrontos militares, em Luanda, e mantido sob custódia das autoridades governamentais quase durante um ano.

Tchizé dos Santos, cujo mandato de deputada foi suspenso em outubro passado - tendo sido também afastada do comité central do MPLA, partido no poder em Angola há mais de 40 anos, e suspensa por dois anos da condição de militante -, diz que a UNITA "teve mais sorte do que a famílias dos Santos" pois foi José Eduardo dos Santos que decidiu o destino dos derrotados em combate, e não João Lourenço.

"Se quando o dr. Jonas Savimbi morreu em combate e a UNITA foi derrotada, em 2002, o PR fosse o sr. João Lourenço, certamente o Dr. não teria hoje opinião alguma porque provavelmente estaria morto ou em prisão perpétua", respondeu a Chivukuvuku.

Leia mais