Exército nigeriano diz que ″normalidade foi restaurada″ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 09.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Exército nigeriano diz que "normalidade foi restaurada"

Militares afirmaram este domingo (09.09) que restauraram a ordem, depois que combatentes do Boko Haram assumiram o controle de cidade no nordeste da Nigéria. Temores sobre o ressurgimento do grupo terrorista permanecem.

Nigeria Soldaten in Damboa (Getty Images/AFP/S. Heunis)

Militares da Nigéria no estado de Borno

Dezenas de jihadistas supostamente leais a uma facção apoiada pelo grupo do Estado Islâmico atacaram as tropas em Gudumbali, no estado de Borno, na passada sexta-feira (07.09), segundo autoridades locais e fontes de segurança.

Pelo menos oito civis teriam morrido e milhares forçados a fugir, no que foi a primeira grande ocupação de uma cidade pelos extremistas islâmicos em dois anos.

A este ataque seguiram uma série de outros ataques mortais contra as tropas, que colocam em questão repetidas alegações governamentais e dos militares de que o Boko Haram está enfraquecido a ponto de ser derrotado.

O porta-voz do Exército da Nigéria, brigadeiro-general Texas Chukwu, que no sábado (08.09) disse que "não estava ciente" do ataque, confirmou o incidente este domingo.

"O combate aconteceu quando os insurgentes atacaram a comunidade, incendiaram alguns edifícios e rapidamente se retiraram da comunidade", afirmou ele em um comunicado, acrescentando que "nenhuma vítima humana foi registrada“.

“As tropas se reagruparam e a normalidade foi restaurada. As tropas também foram reforçadas com para dominar a área geral," disse ainda Chukwu.

Nigeria - Selbstmordanschlag in Maiduguri (Reuters/Stringer)

Em janeiro, Maiduguri foi alvo de ataques suicidas

Retorno inseguro

Os militares nigerianos regularmente anunciam seus aparentes sucessos contra o Boko Haram e negaram veementemente os relatos anteriores de vítimas do exército em ataques.

Não houve verificação independente da alegação de Chukwu, já que o acesso às áreas fora da capital do estado de Borno, Maiduguri, é rigidamente controlado pelos militares.

Nove anos de conflitos, que custaram pelo menos 20 mil vidas no nordeste da Nigéria, também destruíram a infraestrutura de telecomunicações em áreas rurais.

Gudumbali é a área Guzamala de Borno e um dos vários lugares para onde pessoas deslocadas pelo conflito foram encorajadas a voltar.

Agências de ajuda que lidam com os efeitos humanitários da insurgência acreditam que os retornos estão a ser ditados pela política, com eleições marcadas para fevereiro do próximo ano.

O presidente Muhammadu Buhari, eleito em 2015 com a promessa de derrotar o Boko Haram, espera conseguir um segundo mandato de quatro anos.

Ele disse pela primeira vez que o Boko Haram foi "tecnicamente derrotado" no final de 2015 e recentemente disse que Borno estava em uma "fase de estabilização pós-conflito", apesar dos contínuos ataques.

Leia mais